EM MINAS, O AMOR TRANSFORMA PRECONCEITOS

0

As famílias têm um papel fundamental na proteção dos direitos das pessoas LGBTI e no enfrentamento à violência ou discriminação com base em orientação sexual ou identidade de gênero, real ou percebida. Emocione-se com a história de “O amor transforma preconceitos”, lançada nesta semana pela Secretaria de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania do Estado de Minas Gerais, com o apoio da Livres & Iguais, a campanha da ONU pela igualdade LGBTI.

 

A Secretaria de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania do Estado de Minas Gerais lançou na última quinta-feira (14) o vídeo “O amor Transforma Preconceitos”.

O material integra a campanha da ONU Livres & Iguais e é protagonizado por uma mulher transexual. O estado de Minas Gerais anunciou sua adesão oficial à Livres & Iguais em outubro de 2015, durante a 3ª Conferência Estadual LGBT.

“O amor transforma preconceitos” conta a história de uma mulher trans que nasceu e cresceu em uma família mineira típica, formada por pai, mãe e três filhos, vivendo na zona rural do estado.

Em sua trajetória, a personagem precisa enfrentar inúmeros obstáculos, sendo o primeiro deles o preconceito e a rejeição por parte da própria família.

Anos depois, já casada e mãe de uma menina, a chegada de um convite para a celebração dos 50 anos de união dos seus pais cria uma enorme expectativa quanto à reação dos seus familiares. A trilha sonora é a música de Lô Borges e Márcio Borges, “Quem sabe isso quer dizer amor”.

Pessoas LGBTI e suas famílias

A história contada em “O amor transforma preconceitos” é uma narrativa familiar a muitas lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, pessoas trans e intersex (LGBTI), que, infelizmente, nem sempre têm o final redentor vivido pela protagonista do vídeo.

Para a maior parte das pessoas, a família representa o primeiro e o principal reduto de afeto, proteção e apoio. Todavia, para a população LGBTI, a entidade familiar pode ser, também, o espaço em que se vivencia, desde a infância, a discriminação, a violência e o preconceito presentes na sociedade.

Ângela Moysés, mãe de Thaís Rodrigues e integrante do Mães Pela Diversidade, destaca o papel fundamental que as famílias de pessoas LGBTI devem ter no combate à discriminação com base em orientação sexual ou identidade de gênero.

Para ela, “essa rejeição e violência não podem começar em casa. Família deve amar, acolher, respeitar. E lutar, para que seus filhos e filhas tenham direitos iguais, tenham segurança, possam ser quem são e amar quem desejam. Pais e mães precisam rever seus preconceitos e entender a necessidade urgente do seu apoio para seus filhos e filhas LGBT”.

O grupo Mães Pela Diversidade é composto por mães e pais de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e pessoas trans que perceberam que se aliar ao enfrentamento à LGBTI-fobia era a melhor forma de promover os direitos de seus entes queridos e garantir a sua segurança – além de a melhor declaração de amor que se pode fazer a um filho ou filha LGBTI.

A discriminação e a violência sofridas no ambiente familiar, ou, ainda, o corte dessas relações, não só impõe um sofrimento emocional e psicológico às pessoas LGBTI, como muitas vezes as impele em direção a uma situação de vulnerabilidade e marginalização, inserindo-as em um ciclo de exclusão social e de pobreza.

Não é raro, também, que essa dinâmica seja perpetuada pela exclusão experimentada em outros espaços que, de modo similar à família, deveriam a princípio prover apoio e acolhimento às pessoas LGBTI, especialmente em sua infância e juventude. Um exemplo disso são as escolas, especialmente.

Nesse sentido, em 2016, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e Cultura (UNESCO) no Brasil reafirmou o seu compromisso com a garantia dos direitos da população LGBT e das mulheres. Para a UNESCO no Brasil, aprofundar o debate sobre sexualidade e gênero contribui para uma educação mais inclusiva, equitativa e de qualidade, não restando dúvida sobre a necessidade de a legislação brasileira e os planos de educação incorporarem perspectivas de educação em sexualidade e gênero.

De acordo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), nenhuma pessoa — criança ou adulto — deve sofrer abuso, discriminação, exploração, marginalização ou violência de qualquer espécie por qualquer motivação, inclusive com base na sua orientação sexual ou identidade de gênero real ou percebida. Da mesma forma, a nenhuma pessoa deve ser negado qualquer um dos seus direitos humanos universais, liberdades e oportunidades básicas.

Em 2015, o relatório do Alto Comissariado das Nações Unidas para Direitos Humanos (ACNUDH) sobre discriminação e violência contra indivíduos baseadas em sua orientação sexual ou identidade de gênero, apresentado ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, afirmou que é uma responsabilidade dos Estados proteger os indivíduos LGBTI da discriminação e da violência inclusive na esfera familiar.

Exemplos de práticas discriminatórias e de violências contra pessoas LGBTI perpetradas no âmbito da família podem incluir agressão física, estupro, expulsão de casa, exclusão de herança, proibição de ir à escola, internamento em instituições psiquiátricas, casamento forçado, perda da guarda de filhos ou filhas, punição por ações de ativismo ou ainda ataques à reputação pessoal.

De acordo com o ACNUDH, “lésbicas, mulheres bissexuais e pessoas trans estão muitas vezes sob risco maior devido a desigualdades de gênero e restrições a sua autonomia em decidir sobre sexualidade, reprodução e vida familiar”.

No mesmo ano, 12 agências, fundos e programas da ONU emitiram uma declaração conjunta incitando os Estados que tomassem medidas urgentes para dar fim à violência e à discriminação contra adultos, adolescentes e crianças lésbicas, gays, bissexuais, trans e intersex (LGBTI). Entre as medidas que os Estados devem aplicar para proteger pessoas LGBTI da violência, da tortura e dos maus-tratos, está a incorporação da homofobia e da transfobia como fatores agravantes nas leis contra crimes e discursos de ódio.

De acordo o UNICEF, nenhuma pessoa — criança ou adulto — deve sofrer abuso, discriminação, exploração, marginalização ou violência de qualquer espécie por qualquer motivação, inclusive com base na sua orientação sexual ou identidade de gênero real ou percebida. Da mesma forma, a nenhuma pessoa deve ser negado qualquer um dos seus direitos humanos universais, liberdades e oportunidades básicas.

Livres & Iguais

A Livres & Iguais é a campanha da Organização das Nações Unidas pela promoção da igualdade de direitos de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, pessoas trans e intersex.

Iniciativa inédita e global da ONU, ela reconhece que orientação sexual e identidade de gênero atuam como fatores que estruturam desigualdades sociais e impactam negativamente a fruição plena dos direitos humanos das pessoas LGBTI.

Implementada no Brasil desde 2014, a campanha possui parcerias com a Prefeitura de São Paulo e com o estado de Minas Gerais, e conta com Daniela e Malu Mercury como suas Campeãs da Igualdade.

Conheça outros materiais lançados pela campanha em https://unfe.org/pt ehttps://nacoesunidas.org/campanha/livreseiguais

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP