A LAMA DE MARIANA

0

Texto e Fotos de Romildo Guerrante, Editor da Revista Bio

Casa atingida pelo rompimento da barragem do Fundão

Até pisar no chão do subdistrito de Bento Rodrigues, a 34km da cidade histórica de Mariana (MG), eu não fazia ideia do tamanho do estrago provocado pelo rompimento da barragem do Fundão, que despejou em quatro minutos 34 milhões de toneladas de lama sobre os 600 moradores e as 210 casas do povoado surgido com a febre do ouro das minas gerais no século 18.

Dois meses antes de seguir para Mariana, admito que me espantei com as imagens que tinha visto na televisão. Mas nada se compara ao que vi quando atolei no barro fofo os dois calçados especiais que tinha levado para ver de perto o tamanho da tragédia. Dois calçados acostumados à lama e à neve, calejados de andar em terrenos difíceis, que voltaram semidestruídos da viagem de 700km ao longo dos rios Gualaxo e Doce, de Mariana a Regência, já no Espírito Santo, onde a avalanche deu de cara com o mar.

Em mais de 40 anos como repórter, não tinha visto nada igual. O que aconteceu com a barragem da Samarco é hoje considerado sem discussão o maior acidente do tipo no país. Até então, nada se havia visto com essa dimensão, com a natureza dos danos causados ao meio ambiente, a destruição de quase toda uma bacia hidrográfica em que vivem mais de 3 milhões de brasileiros.

A lama que desceu das fraldas da Serra do Espinhaço, viajando com ímpeto destruidor a 30km por hora, invadiu e extrapolou as calhas de rios que mal comportariam uma chuva mais forte, tal o grau de assoreamento que já se registrava com a devastação e a seca. Com os rios minguados, costelas à mostra, a lama arrebentou as margens florestadas, cavucou debaixo da mata ciliar, fragilizando-a, arrastou gente, casas, e pontes, uma quantidade jamais calculada de animais domésticos e de criação.


A lama deixou um rastro de destruição

Levou tudo que tinha pela frente. Os peixes, atacados em seu ambiente, ficaram sem o oxigênio necessário e foram eliminados. Algumas espécies sobrevivem nos afluentes, há esperança de que se possa fazê-los viver no Doce quando a turbidez desaparecer. Quando? Nenhum pesquisador sério arrisca afirmar. Talvez três anos, otimistamente.

Essa lama que desceu de Mariana, feita de um pó muito fino que descola do minério durante a lavagem, foi revolvendo os muitos poços profundos que, dizem os técnicos que analisaram o material, guardavam metais pesados no fundo dos rios, restos de antigas minerações, de técnicas já em desuso.

A avalanche tanto revolveu quanto depositou lama no leito ao longo da caminhada. É possível que a parte da descarga que chegou ao litoral tenha sido pequena. Mas obrigou o Projeto Tamar a tirar da frente o Projeto Tamoios, fazendo três meses depois da descarga a primeira soltura de filhotes de tartaruga, a 1km da foz em Regência, onde as águas estão turvas, mas as chances de sobrevivência são maiores.

A lama que chegou até o mar apresenta características especialíssimas: não se dissolve, movimenta-se pra cima e pra baixo ao sabor das marés e dos ventos, em bloco, como se fosse uma almofada. Algum dia irá se dissolver? Outra incógnita da grande tragédia.

Três localidades foram dizimadas: Bento Rodrigues (sobraram 21 casas), Paracatu de Baixo (seis casas numa pequena encosta) e Gesteira (só sobrou a igrejinha). Daí pra baixo os danos foram ao rio especificamente, às três hidrelétricas (paralisadas pela impossibilidade de operar com lama nos geradores) e às estações de tratamento de água (que não puderam captar pela impossibilidade de produzir sedimentação do barro para permitir a filtragem).

Os prejuízos econômicos foram estimados em meio bilhão de reais apenas em Minas Gerais. Em Mariana, a Samarco, que contribui com 80% da arrecadação municipal, tem um discurso de otimismo alavancado, tipo “vamos olhar pra frente”. O prefeito Duarte Júnior (PPS) encabeça um movimento pela retomada das operações da mineradora, enfrentando oposição do Ministério Público, que quer ver a situação dos desabrigados pelo menos equacionada.


Cenário de destruição que custou a vida de 17 pessoas

A situação deles está longe disso, participam de sucessivas reuniões, discutem indenizações. Sem trabalho, muitos se valem da intensa atividade de reconstrução de estradas, pontes, escolas, que aqueceu o mercado de trabalho na Mariana semiparalisada desde novembro. Trabalho temporário, todos sabem, mas, no geral, há muita esperança. Ou desinformação.

A família de cada um dos 17 mortos recebeu R$ 150 mil, quem ficou sem trabalho ganha um salário mínimo, os pescadores sem pescado estão de braços cruzados, mas alguns recebem da Samarco bem mais que se estivessem trabalhando.

No início de março, a presidente Dilma Rousseff anunciou um acordo com a mineradora Samarco e suas controladoras e com os governos estaduais de Minas e Espírito Santo. O acordo, que não tem obrigações legais, prevê investimentos de R$ 20 bilhões em 15 anos para indenizar os desabrigados, recuperar as localidades destruídas, devolver a vida à Bacia do Rio Doce.

O Ministério Público, que tem várias ações ajuizadas contra a mineradora, recebeu com ceticismo o anúncio do governo federal. Nenhum dos valores mencionados passa credibilidade para quem sofreu o desastre – e não foi chamado a opinar. Nem para quem olha de fora o tamanho do bicho que deixaram acontecer.

(*) Publicado anteriormente na revista eletrônica Balaio de Notícias e em Plurale em site.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP