NOVA YORK DECLARA GUERRA AO ISOPOR

0

Nova York, o mais importante centro global do mundo, seguiu o exemplo de outras 70 cidades norte-americanas, como a capital Washington DC, San Francisco e Seattle e decretou guerra ao EPS (sigla internacional do Poliestireno Expandido, no Brasil conhecido como Isopor e nos Estados Unidos como styrofoam), que, desde 1º de julho, está proibido de ser vendido e oferecido aos consumidores. Passados seis meses de adaptação, os estabelecimentos de Nova York que fizerem uso de isopor, seja para vender um café ou uma refeição, serão severamente multados. A decisão do prefeito de Nova York, Bill de Blassio, é decorrente dos riscos que o isopor apresenta ao meio ambiente, sobretudo se chega a rios e mares, representando risco à vida marinha, e também pelo fato de a indústria não ter apresentado projetos que viabilizem a sua reciclagem, que é cara e pouco producente.

“Produtos feitos de styrofoam (isopor) causam um grande prejuízo ao meio ambiente e não há mais lugar para eles em Nova York”, disse o prefeito da cidade, Bill de Blasio no anúncio da medida.

De acordo com a enciclopédia online Wikipedia, o styrofoam ou isopor, tecnicamente o EPS, foi inventado pelo cientista da Dow Chemical Otis Ray McIntire em 1941, resultado de pequenas quantidades do polímero poliestireno misturadas com produtos químicos que permitem a sua expansão em até 50 vezes o tamanho original, de forma que 95% de sua composição seja o ar, por isso é leve e tem um custo baixo, o que o tornou uma opção para embalar sobretudo alimentos de consumo rápido com segurança. O problema está no seu descarte depois de usado, devido à falta de estímulo e custo de reciclagem. Aos jornais de Nova York esta semana, a exemplo do conceituado The New York Times, Kathryn Garcia, responsável pelo sistema sanitário da cidade, afirmou: “Ninguém conseguiu até agora provar que seja possível reciclá-lo em larga escala, e tampouco há mercado para isso.”

O fato de as maiorias cadeias de fast food, a exemplo do McDonalds, terem abolido o uso desse tipo de embalagem nos Estados Unidos, em 2013, por pressão de consumidores e órgãos ambientais, estimulou a decisão de Nova York.

A guerra ao isopor em Nova York trouxe preocupação para o setor empresarial de EPC no Brasil, sobretudo porque tramita na Câmara de Vereadores de São Paulo projeto de Gilberto Natalini (PV) que também propõe a abolição dos copos térmicos e das embalagens de alimentos em poliestireno expandido no Município de São Paulo. O temor de entidades como a Plastivida é de que formadores de opinião e a população se entusiasmem com a decisão de Nova York, a mais importante cidade metropolitana do mundo, dando força ao projeto paulistano que pode se espalhar também por outras cidades brasileiras, especialmente as litorâneas.

É essa guerra declarada ao isopor que levou a Plastivida a distribuir neste fim de semana a seguinte nota oficial:

 

A Plastivida, como representante da cadeia produtiva dos plásticos no que tange à sustentabilidade, vem se posicionar sobre a decisão pelo banimento de produtos de EPS (sigla internacional do Poliestireno Expandido, no Brasil conhecido como Isopor, marca registrada) na cidade de Nova York.

– O EPS é um plástico e sendo assim, é inerte, atóxico e 100% reciclável.

– Em função de sua versatilidade, leveza, resistência e excelente custo-benefício o EPS tem ganhado, ao longo dos anos, espaços em mercados relevantes, oferecendo bem-estar à população, assim como economia e vantagens ambientais:

– promove economia de energia e de água quando aplicado em construções
– oferece redução nas emissões de gases, por ser leve ao transporte;
– está presente na medicina, preservando a integridade de medicamentos e insumos e garantindo a saúde das pessoas;
– preserva a qualidade dos alimentos no caso das embalagens, entre tantas outras utilidades.
– acondiciona e protege bens duráveis como eletrodomésticos, computadores, entre outros.

– Falar em banimento desse ou daquele produto é falar em retrocesso. É abrir mão de um processo de desenvolvimento em prol da qualidade de vida, e pior ainda, muitas vezes de forma a não gerar nenhum benefício ambiental.

– Acreditamos que a decisão de se banir um determinado produto vai apenas mudar o tipo de material que será encontrado amanhã nos mares e nas ruas.

– A solução está na responsabilidade compartilhada entre indústria, população e governo para atuarem em torno da informação adequada, educação ambiental e gestão de resíduos.

– Informação – Conhecendo os produtos, sua funcionalidade, sabendo do impacto que gera, por meio da análise de seu ciclo de vida (desde a extração da matéria-prima até seu descarte) é possível fazer a melhor escolha.

– Educação ambiental – É o que desperta a sociedade para a importância do consumo responsável, redução de desperdício e descarte adequado. A partir da educação ambiental, as boas práticas se tornam perenes.

– Gestão de resíduos – Coleta seletiva, logística reversa, redução de aterros, destinação do lixo para a reciclagem mecânica ou energética são pontos que devem ser considerados na gestão de resíduos, principalmente dos grandes centros, onde a população cresce cotidianamente e, por consequência, o consumo e o descarte.

– O Brasil é um exemplo: somente o Brasil reciclou, em 2012, 34,5% do EPS que consumiu, ou seja, reciclou 13.570 toneladas das 39.340 toneladas de EPS pós-consumo. (estudo Maxiquim). Se levarmos em conta que menos de 20% dos municípios contam com sistemas de coleta seletiva, esse número é bastante elevado.

– Em 2012, as 22 recicladoras de EPS do Brasil faturaram juntas R$ 85,6 milhões e empregaram 1.413 pessoas. Essas empresas representam uma capacidade instalada para reciclar 30.473 toneladas. Ou seja, há espaço para se reciclar mais e para isso é necessário se coletar mais.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP