GAME MERGULHA NA CULTURA INDÍGENA DA AMAZÔNIA

0

A partir de abril, fãs de vídeo game poderão conhecer um jogo bem diferente dos convencionais e genuinamente brasileiro. Em vez de armas de fogo, serão índios e flechas. No lugar dos monstros e inimigos armados, jiboias, antas, pacas e outros elementos visíveis e invisíveis da Floresta Amazônica.

Por Flávia Villela/Repórter da Agência Brasil

O projeto foi elaborado por antropólogos, programadores visuais e integrantes do povo Kaxinawá – ou huni kuin, como eles se autodenominam, e que significa “pessoa verdadeira”. O som de tiros e músicas eletrônicas, comuns na maioria dos jogos, é substituído pelos da mata e dos cantos dos povos da floresta.

Os heróis do game Huni Kuin: os Caminhos da Jiboia tem como protagonistas dois irmãos gêmeos: um caçador e uma artesã. Concebidos pela jiboia Yube em sonhos, eles herdam poderes especiais. Se conseguirem vencer todos os obstáculos, o jovem se tornará pajé e a moça, mestra dos desenhos. O jogador ainda tem a oportunidade de ouvir o idioma hatxã kuin.

Games indígenas/Índios cineastas
O roteiro e as histórias dos games foram divididos com os indígenas. Foto: Divulgação/Nadja Woczikosky Marin

Antropólogo da Universidade de São Paulo (Usp) e idealizador do projeto, Guilherme Meneses esclareceu que o conhecimento dos rituais ancestrais, dos animais, das plantas e dos espíritos é fundamental para o sucesso no jogo. A equipe do projeto conta com programador, artista digital, game designer e antropólogos, mas participaram da produção cerca de 45 Kaxinawás de algumas das 32 aldeias existentes no Acre.

“Decidimos com eles [indígenas] o roteiro e as histórias. Eles desenharam os protótipos, gravaram as músicas e os efeitos sonoros. Os pajés narraram as histórias”, informou Meneses, que viu no projeto uma ferramenta contemporânea para explorar e divulgar a cultura dos Kaxinawá.

“Minha ideia original era que gamers e outros interessados tivessem uma visão de como é uma aldeia, o mundo indígena, os mitos e que isso ajudasse a derrubar certos preconceitos que até hoje existem por falta de informação da população sobre os indígenas”, acrescentou o antropólogo.

O jogo tem cinco fases, cada uma abordando um mito tradicional da etnia. Em cada fase, o jogador ganha conhecimentos guiados pela história do pajé. Nesse processo, o usuário mergulha nos rituais e nos grafismos dos Kaxinawá. Além do português e do hatxã kuin, há legendas disponíveis em inglês e espanhol. “A jiboia é um animal encantado dentro do universo Kaxinawá e dentro da primeira história é o personagem principal”, destacou Meneses.

Foram seis meses de pesquisa e quase três anos para concluir o jogo. A experiência na aldeia São Joaquim/Centro de Memórias durou cerca de quatro meses intervalados, período em que foram feitas oficinas de audiovisual e produção de conteúdo. Segundo o antropólogo, o contato com os indígenas evidenciou o potencial do game também como elemento de fortalecimento interno do povo, conta.

“A própria questão da tecnologia é uma transformação na aldeia. É uma demanda deles entrar em contato com nossas cidades, de conseguir trabalho, projetos e visibilidade dentro do cenário nacional”, informou Guilherme Meneses, destacando o grande fascínio que a tecnologia exerce sobre muitos indígenas, sobretudo os mais jovens.

De acordo com um dos coordenadores do trabalho na aldeia Isaka Kaxinawá, o processo de produção do vídeo e a experiência com o jogo aproximou a juventude dos mais velhos e da cultura Kaxinawá. “Fortaleceu a sabedoria dos nossos velhos, porque o velho sabe muito da tradição e temos de aproveitá-los. Eles nos ajudam a pensar nosso futuro, o do nosso filho e do nosso neto.”

Games indígenas/Índios cineastas
De acordo com os coordenadores do projeto, os índios querem contato com as cidades. Foto: Divulgação/Nadja Woczikosky Marin

Conforme o coordenador, a experiência com a produção do jogo semeou novas ideias e projetos. “Estamos agora produzindo um documentário sobre o ritual txirin, que é a cerimônia do Gavião Real.”

O patrocínio dos parceiros institucionais, como Itaú Cultural e Universidade de São Paulo (USP), serviu para ajudar as aldeias participantes com instalação de painéis solares e cursos de áudio visual que continuam em curso. “Não teria sentido eles ficarem fora dos recursos, uma vez que o vídeo é sobre eles e feito também por eles. É reivindicação dos indígenas ter acesso à energia e à internet nas aldeias. Hoje muito poucas aldeias têm energia e internet”, disse Meneses.

O Caminho da Jiboia será lançado primeiro nas comunidades indígenas que participaram do projeto, na primeira semana de abril. O lançamento mundial ocorrerá logo depois pela internet, quando poderá ser baixado gratuitamente.

Meneses e a equipe sonham com a adaptação do jogo para o celular no futuro. “Estamos sem recursos, mas estamos buscando com os parceiros acadêmicos”, adiantou. Ele não descartou a ferramenta do Crowdfunding, como recurso.

Segundo o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010, o país tem mais de 7,5 mil integrantes dos Kaxinawá. Destes, mais de 3 mil estão no Acre.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP