O TAMANHO E O PESO DAS ALEGORIAS

0

O tamanho dos carros alegóricos das escolas de samba do grupo especial do Rio de Janeiro têm aumentado ao longo dos anos. Os carnavalescos também criaram novos efeitos especiais e importaram para o carnaval carioca a tecnologia usada no Festival Folclórico de Parintins, no Amazonas, que ajuda a dar movimento às alegorias.

POR CRISTINA ÍNDIO DO BRASIL/REPÓRTER DA AGÊNCIA BRASIL 

Se o visual dos carros fica cada vez mais bonito e agrada o público, até que cheguem à avenida e completem o desfile, todo cuidado é pouco. A montagem das alegorias nos barracões das escolas, na Cidade do Samba, região portuária do Rio, exige cada vez mais estratégia.

O diretor-geral de barracão da Mocidade Independente de Padre Miguel, Marcelo Plácido, tem experiência no assunto. É ele quem verifica o ritmo de montagem e fica de olho nas medidas das alegorias. Segundo ele, não se pode impedir a criatividade dos carnavalescos, mas o limite na largura e na altura dos carros tem que ser respeitado ou o trabalho pode ser prejudicado.

Rio de Janeiro - Desfile das escolas de samba do Grupo Especial no Sambódromo da Marquês de Sapucaí. Imperatriz Leopoldinense.
Com até 5,5 metros de altura e 8 metros de largura no barracão, carros alegóricos exigem logística especial para chegar ao desfile. Foto: Arquivo/Agência Brasil 

Carnaval na medida
Plácido explicou que o ideal é que os carros tenham até 5,5 metros de altura e até 8 metros de largura. Essa medida, segundo ele, além de garantir a passagem da alegoria nos portões do barracão, facilita o transporte até a área de concentração da passarela do samba.

“É uma verdadeira operação que nós fazemos para a retirada desses carros. Montados dentro do barracão, temos o cuidado de fazer com 5,5 metros por causa dos fios no trajeto entre a Cidade do Samba e a [Avenida] Presidente Vargas [local da concentração]. A largura de 8 metros é por causa dos postes nas ruas”, revelou.

As medidas, no entanto, podem mudar na concentração, porque lá os carros recebem as partes adicionais que não foram incluídas para o deslocamento. Segundo Plácido, algumas alegorias têm sistema hidráulico e isso permite atingir 18 metros de altura.

Este ano, a torre de concreto onde ficavam cinegrafistas e fotógrafos, próximo à Praça da Apoteose, na área final do desfile, foi demolida e será substituída por uma estrutura móvel. Com a mudança, as alegorias podem alcançar alturas maiores, para alegria dos carnavalescos.

Por causa da torre de concreto, algumas escolas, entre elas a Mangueira, já enfrentaram dificuldades na passagem pelo local. Em 2013, o sistema hidráulico de uma alegoria não funcionou como previsto e parte do carro ficou comprometido. A Portela teve mais sorte: em 2015, levou para a avenida uma águia – símbolo da escola – numa versão com asas abertas em referência ao Cristo Redentor. O sistema hidráulico funcionou e a alegoria, de 18 metros, se recolheu na passagem pela torre e saiu intacta.

Cuidados no trajeto
A logística do transporte até a concentração é cheia de cuidados. Na Mocidade, segundo Plácido, a operação mobiliza cerca de 200 pessoas, entre empurradores, eletricistas, mecânicos, borracheiros e motoristas. “Esses carros ficam montados dentro do barracão e a maioria deles tem sistema hidráulico, acoplamentos, gavetas, tudo desmontado. Colocamos estas partes em carretas e caminhões para a logística de transporte. Quando chega lá, essas partes são montadas e os carros ficam maiores.”

Rio de Janeiro - A Águia Redentora, alegoria da Portela, animou o público durante o desfile de 2015 e era aplaudida quando abria as asas e ficava com até 18 metros de altura (Cristina Indio do Brasil/Agência Brasil)
Em 2015, a Portela desfilou sua Águia Redentora. Com estrutura hidráulica, a ave de 18 metros se fechou para passar pelo trecho final da passarela do samba. Foto: Cristina Indio do Brasil/Agência Brasil

O diretor-geral de barracão da Mocidade revelou que, um mês antes do desfile, representantes das escolas fazem o percurso dos carros alegóricos para verificar se existe algum impedimento no caminho, como novos postes, fios, placas e calçadas.

Depois disso, encaminham a avaliação para a Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa). Este ano, por causa das obras na região portuária, foram necessárias alterações na rota.

O tempo de percurso até a passarela do samba é outra preocupação das escolas. A Mocidade, por exemplo, deve sair do barracão por volta das 23h para chegar à concentração às 8h do dia seguinte. Tudo acompanhado por uma equipe de segurança, que permanece com os carros até o momento do desfile.

“É importante. Não digo nem por maldade, mas já aconteceu uma situação de uma pessoa subir no carro para fazer uma foto. Nós sabemos onde está, por exemplo, um refletor, onde tem um led, um neon, são detalhes que têm que ter cuidado na hora de subir no carro. A segurança está lá para prevenir isso.”

No fim do desfile, o cuidado com as alegorias não termina. As escolas têm que fazer a dispersão dos carros alegóricos da avenida, em no máximo 2h30, tempo contado desde o início do desfile. Se não cumprirem o tempo, pagam multa de R$ 60 mil.

“É tudo cronometrado porque se não trava a outra escola que está na avenida. A mesma estrutura que montamos na concentração tem que ser desmontada na dispersão. Não é porque acabou o desfile que vamos tirar tudo de qualquer maneira”, disse Plácido, já pensando na possibilidade de voltar à avenida no Desfile das Campeãs, no sábado seguinte ao carnaval.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP