VIDAS REFUGIADAS NOS JARDINS DO PALÁCIO DO CATETE

0

Quem passeou pelos belos jardins do Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, nesta semana, deparou-se com um cenário diferente: oito rostos femininos exibidos em 16 grandes fotografias ao longo do caminho de palmeiras imperiais. Trata-se da exposição fotográfica “Vidas Refugiadas”, que tem apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e chegou ao Rio após uma primeira temporada em São Paulo.

Quem passeou pelos belos jardins do Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, nesta semana, deparou-se com um cenário diferente: oito rostos femininos exibidos em 16 grandes fotografias ao longo do caminho de palmeiras imperiais. Em comum, aquelas mulheres não tinham apenas força, beleza e a determinação de começar uma vida nova no Brasil, mas também o desejo de contar a própria história.

Conferir esse protagonismo é a proposta da exposição fotográfica “Vidas Refugiadas”, que, com o apoio da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), chegou à cidade após uma primeira temporada em São Paulo.

Com foco no cotidiano no Brasil de oito mulheres de diferentes nacionalidades, a mostra busca chamar atenção para uma perspectiva de gênero na forma como se pensa o refúgio, sobretudo na elaboração das políticas públicas para os refugiados.

Para celebrar o lançamento da exposição, elaborada com imagens do fotógrafo Victor Moriyama, foi realizado um debate com a presença de representantes do ACNUR e da Cáritas Arquidiocesana do Rio de Janeiro, além da nigeriana Nkechinyere Jonathan, uma das mulheres retratadas no projeto. Professora de inglês, ela chegou ao Brasil em 2014, devido a perseguições do grupo Boko Haram.

“Esta exposição está sensibilizando as pessoas sobre os refugiados, que não são párias nem fizeram nada de errado. São pessoas comuns enfrentando uma situação difícil por circunstâncias da vida, algo que poderia acontecer a qualquer um”, disse Jonathan. “O projeto está construindo um caminho, está indo a algum lugar, um passo de cada vez. Este é o segundo passo.”

Durante o debate, acompanhado por cerca de 70 pessoas, o assistente de proteção do ACNUR, Vinícius Feitosa, reafirmou a existência de questões de gênero como motivadoras de deslocamento e ressaltou a importância de se celebrar a resiliência dos refugiados.

“Ser mulher pode, sim, ser uma razão de perseguição. Quando falamos de refúgio, falamos de um conceito, mas quando falamos da pessoa refugiada, temos que falar de um ponto de vista mais humano, que é o que a exposição propõe.”

A idealizadora da exposição, a advogada Gabriela Ferraz, destacou o expressivo número de mulheres refugiadas no Rio de Janeiro e lembrou que elas representam atualmente cerca de 30% das pessoas que buscam refúgio no Brasil.

“As mulheres sofrem violência no país de origem, no caminho para outro país e temos que ter cuidado para que não sofram aqui, porque a violência contra a mulher é uma realidade no Brasil”, alertou.

Em sintonia com essa preocupação, o advogado da Cáritas RJ, Matteo Theubet, chamou atenção para o crescimento do contingente de refugiadas que têm desembarcado na cidade.

“No primeiro trimestre de 2016, o número de mulheres que chegam ao Rio de Janeiro em busca de refúgio igualou o número de homens pela primeira vez. Temos visto muitas mulheres jovens chegando aqui com crianças pequenas, tendo que se adaptar a uma realidade que não é fácil.”

De acordo com números divulgados pela Cáritas RJ, houve um crescimento de 82% no número de solicitações de refúgio feitas no Rio de Janeiro em 2015, em comparação com o ano anterior. As mulheres, que em 2014 representavam 30% das novas chegadas, passaram a responder por 40% no ano passado e por 50% em 2016.

A exposição fotográfica “Vidas Refugiadas” permanece nos jardins do Palácio do Catete de terça a domingo, das 9h às 18h, até o dia 10 de junho. A entrada é gratuita. A próxima cidade a receber a mostra será Brasília, a partir de 20 de junho.

Para saber mais sobre o projeto, acesse www.vidasrefugiadas.com.br.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP