COMPANHIA DAS LETRAS CELEBRA 30 ANOS

0

Por Luiz Schwarcz*

Tem sido difícil, para mim, escrever sobre os trinta anos da Companhia das Letras. Escrever ou até mesmo falar sobre o tema, como se qualquer coisa que eu dissesse fosse pouco. Como se, fazendo prevalecer minha visão ao resumir de alguma forma o que se passou nestes trinta anos, eu estivesse subtraindo tantas outras formas de olhar para um passado que não é só meu.

Os livros, assim como os poemas, são sempre marcados pelo excesso. Mesmo os mais diminutos, os poemas de uma ou duas linhas, ou os livros quase sem lombada, aqueles que alguns dizem “não parar de pé”, mesmo esses transbordam sentidos, interpretações. Permitem leituras tão diferentes umas das outras, tão diferentes como somos nós, seus leitores. O início da maturidade da Companhia talvez coincida com o começo da minha velhice: os trinta da  editora engatam-se nos meus sessenta, e somente neste ano minha vida pode ser dividida em partes iguais, metade sem a Companhia, metade com, fato que nunca  mais se repetirá. A matemática e a poesia têm suas similaridades, como os bons cientistas conseguem demonstrar, e os bons artistas nos fazem sentir.

Todas as celebrações deste ano de nossa maturidade procuram dar voz aos autores. Escolhemos exibir nosso orgulho através dos livros, fazer os textos ecoarem, ressaltar a pronúncia de cada autor e, de alguma maneira, esconder os editores. É assim que tem que ser.

Editar livros é sempre um ato de otimismo. Afinal, ao escolhermos um título estamos inventando também um futuro. (E, no Brasil, viver pensando no futuro exige uma dose de otimismo ainda maior que aquela natural à profissão.) O trabalho do editor começa ao idealizarmos uma vida material que em breve irá encadernar o que brotou da imaginação dos autores. Tentamos fazer com que o encontro dessas duas solidões — a dos escritores e a dos leitores — se dê da melhor maneira possível.

O mesmo ocorre com os poemas. Quando escritos, esperam por um leitor, anseiam por compreensão e amor, mesmo que incógnitos. O poema é um livro. Os dois nomes são apenas nomes, mas sugerem uma maneira de olhar para o que fazemos. Espero que nestes primeiros trinta anos isto tenha ficado bem claro: que gostamos sobremaneira de livros, de poemas, de literatura, e da transmissão aberta de ideias.

O editor, ao exercer sua profissão, não é um artista, não tem essa capacidade. Ele exerce outro tipo de atribuição, mais prosaica. Se fosse poeta talvez não assinasse alguns dos poemas que publica, assim como se fosse um pensador talvez discordasse de ideias que acha importante ver transformadas em livros. Essas são algumas das lições que os trinta anos “com” me ofereceram. Espero que as tenha transmitido aos leitores da Companhia, por meio dos livros, e a todos que comigo trabalharam nestas décadas, através de um cotidiano partilhado.

A estes últimos dedico estes poemas que aqui representam todos os tipos de autores da nossa Companhia.

* * *

Poema-orelha, de Carlos Drummond de Andrade

Esta é a orelha do livro
por onde o poeta escuta
se dele falam mal
ou se o amam.
Uma orelha ou uma boca
sequiosa de palavras?
São oito livros velhos
e mais um livro novo
de um poeta inda mais velho
que a vida que viveu
e contudo o provoca
a viver sempre e nunca.
Oito livros que o tempo
empurra para longe
de mim
mais um livro sem tempo
em que o poeta se contempla
e se diz boa-tarde

(ensaio de boa-noite,
variante de bom-dia,
que tudo é o vasto dia
em seus compartimentos
nem sempre respiráveis
e todos habitados
enfim).
Não me leias se buscas
flamante novidade
ou sopro de Camões.
Aquilo que revelo
e o mais que segue oculto

Poética (II), de Vinicius de Moraes

Com as lágrimas do tempo
E a cal do meu dia
Eu fiz o cimento
Da minha poesia.

E na perspectiva
Da vida futura
Ergui em carne viva
Sua arquitetura.

Não sei bem se é casa
Se é torre ou se é templo:
(Um templo sem Deus.)

Mas é grande e clara
Pertence ao seu tempo
— Entrai, irmãos meus!

Hoje é outro dia, de Mario Quintana

Quando abro cada manhã a janela do
[meu quarto
É como se abrisse o mesmo livro
Numa página nova…

*Luiz Schwarcz é editor da Companhia das Letras e autor de Linguagem de sinais, entre outros. Escreve pra o blog uma coluna quinzenal. Artigo originalmente publicado no blog da Companhia das Letras.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP