EXCENTRICIDADES SEGUNDO FREDERICO DALTON

0

“Minha mania de política fez muito mal ao nosso casamento. Me perdoa se não cumpri as promessas que fiz para te conquistar. Quando te vi, comecei uma campanha pra você ‘votar em mim’. Fiz alianças espúrias com a vaidade e usei da eloquência para disfarçar minha astúcia. Agora, rolando pra lá e pra cá neste sofá, sem conseguir dormir, só penso na placa “Fora Maurício!” que me proíbe de entrar no nosso quarto”.

 

O alemão Volker passou quatro anos numa cadeia em Berlim. Durante todo este tempo, Jussara, sua namorada brasileira, esperou por ele, trabalhando como faxineira e juntando dinheiro para começarem uma vida nova no Brasil. No Rio de Janeiro, vão morar na casa simples onde Jussara cresceu e que hoje está cercada por uma favela controlada por milicianos. O chefe da milícia tem um estranho hábito: estudar alemão.

 

Armando é solteiro. Bem, alguns anos atrás ele seria chamado de “solteirão”. Mas hoje somos mais tolerantes com quem já passou dos 50 sem nunca se casar. Armando é excêntrico. Mas não deve ser por isso que está solteiro. Eu, por exemplo, sou muito excêntrico e estou casado há 25 anos. Armando tem uma coleção. São copos com a borda suja de batom usados por mulheres que o visitaram: amigas, namoradas, prostitutas, parentes…

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.