O queijo tombado

0

Jorge Wamburg
Repórter da Agência Brasil


Brasília – O queijo artesanal produzido na região das serras da Canastra, do Salitre e do Espinhaço, em Minas Gerais, foi declarado Patrimônio Imaterial Brasileiro porque, muito mais do que alimento, é uma herança cultural importante, que chegou ao Brasil nos primórdios do século 18, trazido pelos portugueses. Era produzido na Serra da Estrela, que tem muitas semelhanças com as de Minas.

Esta é a explicação da conselheira do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) Ângela Gutierrez. “Este queijo atravessou os séculos sendo feito da mesma forma, com os mesmos detalhes com que era feito no início do século 18. Sobreviveu a tudo e está aí para testar a nossa raiz cultural”, afirmou em entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional de Brasília, para comentar a decisão anunciada na última quinta-feira (15), após um estudo demorado.

O título não muda nada, nem pode mudar, no queijo “produzido com leite cru, coalho e pingo”, explica a conselheira. O que muda “é a condição do produtor de apresentar um produto que tem o reconhecimento do Iphan. É a segurança do comprador, de que está comprando mais do que um produto alimentício, está comprando a tradição. E a indústria de laticínios tem salvaguardas próprias para este tipo de queijo artesanal. O que muda é principalmente nesse sentido: mais segurança, mais garantia e cultura”.

Ângela Gutierrez ressalta que o segredo da produção artesanal do queijo Minas foi passado “de pai para filho, de avô para neto, de uma maneira doméstica absolutamente informal, e permaneceu. Nada modificou esse modo de fazer e, pensando bem, ele engloba também um modo de viver, porque o queijo nessas regiões de Minas Gerais era consumido no café da manhã, no almoço, no lanche da tarde, na janta, como se fala nessa região. Ele foi sobrevivendo desse modo, sem registro, sem nenhuma bibliografia, e também numa região onde havia muita simplicidade por parte das pessoas que o faziam”.

A conselheira destaca ainda que “esse queijo se incorporou à vida do mineiro de uma maneira incrível e, por isso, o Patrimônio Imaterial Brasileiro precisa incorporá-lo ao seu campo de ação”. Sobre a importância do produto na história do estado, ela conta que, no princípio do século 18, houve uma enorme migração de trabalhadores para as minas, por causa do ouro e depois das pedras, sobretudo de portugueses. “E essas pessoas precisavam se alimentar. Então, o queijo veio com a necessidade de se produzir um produto que, com a salga, conseguia se manter durante um bom tempo”.

Além disso, segundo ela, eram feitos queijos pequenos, durinhos, chamados de “merendeiros”, levados pelos mineiros para as lavras de minério e pedras e que duravam o dia inteiro.

Ângela Gutierrez destaca ainda a importância de proteger o queijo Minas com o selo do Iphan, para evitar que outros países tentem se apropriar dele, como o Japão tentou fazer com o cupuaçu. “O selo atesta que é um produto nosso e o Brasil finalmente está abrindo os olhos para a importância da preservação de suas raízes culturais. Porque se nós não preservamos, alguém o faz por nós e aí vira dono”.

Sobre a possibilidade de o pão de queijo, outro produto tradicional de Minas, vir a ser também considerado patrimônio imaterial, ela diz que é uma questão para o futuro. Mas lembra que “este queijo que foi registrado pelo Iphan é o queijo firme, ralado, que vira quase uma farinha, é curado e é com ele que se faz o famoso pão de queijo. O primórdio do pão de queijo está registrado. Vamos ver o que vem pela frente”.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP