O REI DE IFÉ ESTÁ ENTRE NÓS

0

Desembarcou na cidade do Rio de janeiro o Rei Oni de Ifé, líder do povo Yoruba, na Nigéria, com sua comitiva de 150 pessoas, além da rainha Diambi Kabatusuila, do Congo. A visita intuito de reaproximação dos afrodescendentes do Brasil aos países africanos para desenvolvimento e trocas culturais e econômicas entre os yorubás e a comunidade negra no país na construção de um novo marco civilizatório, onde a união entre pessoas negras de todo mundo está em progresso. Em entrevistas o Rei de Ifé trouxe mensagens de cooperação e identidade para além de limites territoriais: “Os afrodescendentes precisam saber. Nós não somos escravos. Nós fomos escravizados. Os negros brasileiros pertencem a linhagens de reis, rainhas. Nós podemos falar línguas diferentes, mas somos da mesma família. Nós viemos nos associar a vocês. Todos os dias vocês precisam acordar, porque têm que contribuir imensamente para este mundo”, afirma o Rei.

Essa movimentação, que também deve ser associada à filosofia do Nacionalismo Preto do século XIX, está cada vez mais latente pela grande representatividade em números de afrodescendentes. O Brasil é o segundo país de maior população negra no mundo, perdendo apenas para a Nigéria. Cada vez mais a população brasileira aumenta sua autodeclaração como pretos e pardos, nos últimos anos o número de afrodescendentes aumentou em 14% segundo IBGE, demonstrando a ruptura de uma cultura eugenista e o crescente orgulho de sua ancestralidade africana. “Nós precisamos transmitir as informações de nossos antepassados para que promovamos a justiça, a igualdade e equilíbrio da sociedade”, disse a rainha Diambi, do Congo.

Outra ação que tem mobilizado brasileiros para a chamada “Nova” Globalização é o MIPAD – Most Influential People of African Descent, em 2018 em sua segunda edição,vem divulgando a lista dos 100 afrodescendentes mais influentes do mundo (abaixo de 40 anos). Com apoio da ONU Internacional, para além de um reconhecimento o MIPAD conecta executivos e personalidades que causam impacto global em suas atividades. Este ano os brasileiros nomeados já divulgados são: Marcus Vinicius Marinho na categoria de Política e Governança; Lisiane Lemos, Paulo Rogério Nunes e Nina Silva, estes últimos escolhidos na categoria de Empreendedorismo e Negócios devido ao fomento do Black Money através de iniciativas como Vale do Dendê – aceleradora para afroempreendedores e do D’Black Bank – fintech de negócio social de fomento e serviços financeiros ao ecossistema negro, respectivamente. Os contemplados das categorias Mídia & Cultura e Humanitarismo & Religião ainda serão anunciados pela organização que promete ter ainda mais brasileiros nomeados por reconhecer a importância do Brasil para o diálogo das entidades negras ao redor do mundo.

Além da conferência e premiação que ocorrerá em Nova Iorque no final do mês de setembro, outras atividades fazem parte do MIPAD100 ao longo do ano, como conferências nos Estados Unidos e em países africanos. Nina Silva, sócia fundadora do D’Black Bank comenta que a partir da nomeação os premiados têm recebido convites para palestrar junto a outros executivos negros fora do país: “a partir do MIPAD tenho tido a oportunidade de ampliar minha rede de trabalho com empreendedores e profissionais negros influentes globalmente e recebi o convite para palestrar no Ghana Tech Summit”. Para Lisiane Lemos, também nomeada na classe 2018  “o MIPAD além de reconhecer agentes negros da transformação visa conectar, dar visibilidade e potencializar as relações empresariais dentro e transcendentes ao grupo. Expandir e se reconhecer em outras pessoas que também passam pelas mesmas dificuldades mesmo sendo de outros países, pelo fato de ser negro é a possibilidade de fortalecer grupos em maior abrangência para gerar nossas próprias oportunidades”.

Mas o que a visita do Rei Oni de Ife, a Rainha Diambi, a ONU, o MIPAD e o Black Money possuem em comum?

Africanos e afrodescendentes de todo mundo reconhecem que este  é o momento de retomada e levante negro. A população negra no Brasil consome anualmente R$1,6 tri. Este generoso valor, normalmente, vai para empresas que não respeitam as nossas pautas e muitas vezes não enxergam o potencial econômico de seus clientes negros. Consumir internamente faz com que modifiquemos toda uma lógica econômica: contribuímos para uma geração de emprego e renda, principalmente para aqueles que são preteridos no mercado de trabalho. E incentivamos o crescimento dos afroempreendedores.” diz Rodrigo França, Sociólogo, ator e diretor de teatro.

A ONU declarou de 2015 a 2024 a década dos Afrodescendentes no mundo, várias federações têm assinado acordo de desenvolvimento regional e global em cooperação com a instituição para projetos que tragam real transformação na realidade da população negra e diminuição das desigualdades, no entanto no Brasil esses projetos estão concentrados na sociedade civil sem visibilidade na mídia ou acordos governamentais.

O momento para este realinhamento entre as Diásporas e o Continente africano não poderia ser melhor, investimentos e acordos de cooperação vêm aproximando países “emergentes” que hoje são potências econômicas determinantes, por exemplo o expansionismo Chinês que tem feito o mundo testemunhar uma disputa de eixo de poder que vem provocando um crescimento acelerado nos países africanos, tais como: Etiópia (+8,5%); Costa do Marfim (+7,6%); Djibouti (+7%); Senegal (+6,8%); Tanzânia (+6,5%), afastando-os da herança miserável do colonialismo europeu, afirma Alan Soares _ fundador do Movimento Black Money.

Para Nina Silva, especialista em gestão de negócios e tecnologia, o Brasil está de forma tardia expandindo a conexão de afro-brasileiros e demais negros a nível global mas com a transformação digital este “atraso” pode ser recuperado: “Consumimos mas não somos incluídos no mercado, então sejamos nosso próprio Mercado. Urge unificarmos as relações socioeconômicas entre pretos com o intuito da real libertação das estruturas de opressão e mantenedoras das desigualdades no mundo” complementa.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP