31/03/2016: MOVIMENTOS SOCIAIS NAS RUAS CONTRA O GOLPE

0

Manifestantes de todo o Brasil se concentram, desde o início da tarde de hoje, 31,  no Estádio Nacional Mané Garrincha em um ato em defesa da democracia e contrário ao impeachment da presidenta Dilma Rousseff. Os manifestantes já deram início a uma caminhada que seguirá até o Congresso Nacional. 

Por Pedro Peduzzi/Repórter da Agência Brasil

Representante da Central Única dos Trabalhadores (CUT) na Frente Brasil Popular, Janeslei Aparecida de Albuquerque diz que haverá atos em todos os estados e em centenas de cidades do interior. “Brasília, por ser a capital do país, é fundamental para dar visibilidade à nossa insatisfação com o golpe que está sendo aplicado contra o Brasil. Motivo pelo qual entre 700 e mil ônibus vieram para cá, vindos de todos os estados brasileiros”, disse à Agência Brasil.

“O que queremos é barrar esse golpe porque sem crime de responsabilidade esse impeachment é golpe. Em relação às pedaladas, trata-se de remanejamento de recursos públicos. Algo que é feito por todos governos nas esferas federal, estadual e municipal. Portanto nada tem a ver com qualquer desvio de recursos”, disse a representante da CUT.

“Está muito claro para cada vez mais pessoas que o que acontece é que quem perdeu a eleição não tem espírito republicano nem democrático. Este é o papel histórico de entidades como a Fiesp [Federação das Indústrias do Estado de São Paulo], entidade que sempre agiu contra a classe trabalhadora, arrancando sangue e a mais-valia e sem dar retorno justo ao trabalho”, disse a sindicalista.

Palavras de ordem

Brasília - A trabalhadora rural Cristiane Rocha Oliveira viajou três dias, do Piauí até Brasília, para comparecer à manifestação na Esplanada dos Ministérios e dizer que Dilma é bastante popular no interior do
Brasília – A trabalhadora rural Cristiane Rocha Oliveira viajou três dias, do Piauí até Brasília, para comparecer à manifestação na Esplanada dos Ministérios e dizer que Dilma é bastante popular no interior do Brasil. Foto:Pedro Peduzzi/Agência Brasil

As palavras de ordem dos líderes do movimento, que falavam ao microfone em sete carros de som que estavam no estacionamento do estádio, ecoavam também nas vozes das milhares de pessoas concentradas, entre elas, a trabalhadora rural Cristiane Rocha Oliveira, 33 anos. Ela passou três dias viajando desde Piripiri (PI) até Brasília, em um ônibus com 48 pessoas. “A gente está cansado das mentiras que vimos na televisão, e viemos até aqui para mostrar que em muitos lugares do país a Dilma é bastante popular pelo muito que fez para melhorar a vida da gente”, disse ela à Agência Brasil.

“Desde que o Lula foi presidente, muita coisa boa aconteceu na minha cidade, principalmente nas escolas. A vida melhorou 100%. A alimentação, a saúde. Há três meses consegui a minha casa [pelo Programa Minha Casa Minha Vida]e parei de pagar aluguel. A Dilma trata o pobre como ninguém antes tratava, e gastar com pobre é um gasto mais digno do que o gasto com o rico, porque é a gente quem precisa”, disse.

Brasília - O cadeirante Marco Borges foi à manifestação a favor do governo Dilma Rousseff. Ele tem medo de que o Brasil esteja correndo o risco de viver uma ditadura (Pedro Peduzzi/Agência Brasil)
Brasília – O cadeirante Marco Borges foi à manifestação a favor do governo Dilma Rousseff. Ele tem medo de que o Brasil esteja correndo o risco de viver uma nova ditadura. Foto: Pedro Peduzzi/Agência Brasil

As dificuldades de locomoção do cadeirante Marco Borges, 58 anos, não o desanimaram a embarcar em uma viagem de 650 quilômetros – distância entre Santana (BA) e Brasília.

“Vale o sacrifício porque minha missão é ajudar a defender a democracia de meu país. Democracia que foi conquistada com muito custo após 1964. O mundo mudou e os tipos de ditaduras também. Agora nosso risco é o de viver uma ditadura judiciária respaldada por uma mídia pra lá de comprometida. É um absurdo a Dilma, que nem investigada é, ser refém de uma pessoa comprovadamente corrupta como o Eduardo Cunha”, disse o aposentado.

“E não podemos aceitar que o [Michel] Temer se torne o principal e mais importante personagem de nosso país, quando ele só está na vice-presidência graças à Dilma. Ele deveria ajudá-la, e não golpeá-la”, acrescentou o cadeirante que veio acompanhado de um grupo de 50 pessoas. “O Luz para Todos levou a nossa cidade também o acesso à internet. Isso deixou nossa cidade mais bem informada e consciente de que o Brasil é muito diferente.”

Direitos sociais

Brasília - O operador de trator Salvador Gregório viajou de Coromandel, Minas Gerais, e disse ser grato a Dilma por ela ter respeito aos pobres (Pedro Peduzzi/Agência Brasil)
Brasília – O operador de trator Salvador Gregório viajou de Coromandel, Minas Gerais, e disse ser grato a Dilma por ela ter respeito aos pobres. Foto: Pedro Peduzzi/Agência Brasil

Operador de trator, Salvador Gregório, 52 anos, viajou mais de 400 quilômetros vindo de Coromandel (MG) na companhia da esposa, que não quis se identificar. “Estão querendo tirar nossa presidenta e a gente não aceita”, disse. “Vou lhe falar uma coisa: o que o Lula, e depois ela, fizeram para a gente ninguém nunca fez. Em primeiro lugar, eles nos respeitam. Tratam pobre que nem rico. Melhorou a renda lá de casa e a gente espera que isso continue porque a gente precisa ter uma terrinha e parar de pagar aluguel”.

O coordenador da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee), José Carlos Padilha Arêas, diz que a luta para garantir e dar estabilidade ao governo Dilma tem por objetivo a continuidade dos avanços dos direitos sociais dos brasileiros. “Estão usando a crise mundial pela qual passa o capitalismo para prejudicar o Brasil, a exemplo do que fizeram com a Grécia. Esse projeto que o Temer já vem propagandeando, chamado de Ponte para o Futuro, é também um golpe contra os avanços sociais no Brasil”, argumentou.

Brasília - A economista Clara Sanchez viajou do Rio a Brasília para protestar contra o impeachment de Dilma Rousseff (Pedro Peduzzi/Agência Brasil)
Brasília – A economista Clara Sanchez viajou do Rio a Brasília para protestar contra o impeachment de Dilma Rousseff. FOTO: Pedro Peduzzi/Agência Brasil

A economista Clara Sanchez, 28 anos, veio do Rio de Janeiro “para mostrar ao mundo que os brasileiros estão cientes de que a democracia está sob risco, caso o impeachment seja aprovado”.

A escolha por participar das manifestações em Brasília se deve ao fato de, pela proximidade com o Congresso Nacional, a capital facilitar um contato direto com os parlamentares que traçarão o destino do país. “Quero dizer a eles que não será fácil dar esse golpe. Nós temos capacidade de mobilização e vamos mostrar o quão irresponsável seria a deposição de uma presidenta”, disse.

Pelo Brasil

Há atos programados em pelo menos 17 estados, além do Distrito Federal. 

Em São Paulo, os manifestantes do ato em defesa da democracia e contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff ocupam a Praça da Sé e a rua lateral da catedral. Quatro carros de som levam líderes de movimentos sociais e de sindicatos que se revezam nos discursos.

O ato reúne entidades como a Central Única dos Trabalhadores (CUT), da Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), da União da Juventude Socialista, da Central de Movimentos Populares, de diversos sindicatos, entre outros.

No Rio de Janeiro, os manifestantes se reuniram no Largo da Carioca, no centro do Rio. Na avaliação do presidente da Federação das Associações de Favelas do Estado do Rio de Janeiro (Faferj), Rossino Castro Diniz, a camada mais pobre do país, beneficiária dos principais programas sociais do governo, como Bolsa Família e Minha Casa Minha Vida, é contrária à tentativa de impedimento da presidenta Dilma.

Em Salvador, o ato começou no início da tarde, na região de Campo Grande. Na capital cearense, a concentração dos manifestantes ocorreu na Praça da Bandeira.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP