Arte em tudo

0

Dentro do evento especial I BNB Agosto da Arte, o Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza (rua Floriano Peixoto, 941 – Centro – fone: (85) 3464.3108) realizará, a partir da próxima terça-feira, 14, uma série de atividades voltadas para o tema da Arte Urbana.


A programação abrange uma ação mural do Grupo Aranha em frente ao CCBNB-Fortaleza (dia 14, às 10h), a abertura de três exposições (dia 14, às 19h), e a realização de três oficinas de formação artística (“O artista e o mercado”, “Prática de deriva urbana” e “Como ocupar espaços subutilizados” – as três no período de 15 a 17, de 10 às 13h), do seminário avançado “Arte e a Cidade” (de 16 a 18), um encontro com educadores interessados no ensino da Arte (dia 18, às 10h) e um debate sobre experiências na prática urbana em Fortaleza (dia 18, de 18 às 20h).
As três exposições são as seguintes: a retrospectiva “Grupo Aranha – Intervenções Urbanas – Período 1987-1990”, com a participação de Alano Freitas, Eduardo Eloy, Efímia Rôla, Hélio Rôla, Kátia, Kazane, Maurício Cals e Sérgio Pinheiro, e curadoria do artista visual e professor Herbert Rolim; “Vagalume”, do chargista, desenhista, pintor e escultor Valber Benevides, com curadoria de Carlos Costa; e “Lajes, jardins, lajes”, com o Grupo Rasura, formado por Eduardo Jorge, Henrique Dídimo e Júlio Lira.
O evento de abertura conjunta das três exposições acontecerá na próxima terça-feira, 14, às 19 horas. Mas antes, às 10 horas da manhã, o Grupo Aranha realizará uma ação mural defronte à sede do CCBNB-Fortaleza. Gratuitas ao público, as mostras ficam em cartaz até 16 de setembro (terça-feira a sábado, de 10 às 20h; e domingo, de 10 às 18h).

Grupo Aranha
Segundo o curador Herbert Rolim, no período 1987-1990, os muros da Praia de Iracema – até então, habitat da saudável boemia – tornaram-se suportes, a céu aberto, para o Grupo Aranha tecer sua pintura, alternando ações engajadas com experiências sensórias de deleite com cores vigorosas e pinceladas gestuais.
A primeira ação de ressonância pública, assinada pelo Grupo Aranha, foi engendrada por motivações políticas, em março de 1987, quando um painel de 150 metros de comprimento, intitulado “Constituinte”, despontou no muro da Companhia Energética do Ceará (Coelce), na avenida Leste-Oeste, chamando a atenção da cidade.
Outra “brigada de pintura”, esta de ordem ecológica, bateu de frente com a poluição sonora na Praia de Iracema, que, a partir da segunda década dos anos 1980, começou a sofrer invasão de empresários da noite, ao mesmo tempo em que a classe burguesa residente preferiu evadir para a Aldeota, permanecendo no bairro aqueles moradores mais resistentes.
Desse quadro, em 1989, figurou o mural “SOS Praia de Iracema”, estruturado pelo Grupo Aranha, aberto a todos os artistas (e não-artistas) que quisessem participar com a finalidade de mobilizar a comunidade, recolher assinaturas de protesto, chamar atenção da mídia e sensibilizar a classe política. “O fio da meada da História da Arte Cearense passa obrigatoriamente pelas teias do Grupo Aranha”, trocadilha o curador.

“Vagalume”, de Valber Benevides
De acordo com o curador Carlos Costa, a exposição “Vagalume”, do chargista, desenhista, pintor e escultor Valber Benevides é “uma viagem lúdica existencial pelo universo valberiano e os personagens de suas obras: músicos, escritores, artistas, cientistas, atletas, políticos e damas da noite – criadores e criaturas dos palcos da vida representadas em caligrafias ricas de tessituras, cores e significados”.
O inseto batiza a exposição porque, na sua infância, Valber costumava catar vagalumes e guardá-los num pote de vidro, para depois desenhar pássaros luminescentes, utilizando os vagalumes moribundos como uma espécie de giz.
Cearense de Itapipoca, Valber Benevides trabalha como artista visual há 30 anos. publicou, sistematicamente, charges animadas na TV Jangadeiro, em 1990, e atuou como chargista no jornal O Povo, de Fortaleza. Desenvolve trabalhos que se caracterizam pela execução de grandes painéis em vários locais públicos de Fortaleza, contendo caricaturas coletivas de artistas da música popular brasileira e internacional, cientistas, personalidades e gênios da cultura universal.
Conquistou os seguintes primeiros prêmios: charge na I Bienal Internacional de Quadrinhos do Rio de Janeiro (1991) e no II Salão de Humor de Campina Grande/PB (1992); caricatura escultural no III Salão Carioca de Humor (1990)e no Salão de Humor do Piauí (1989); pintura no Salão de Abril de Fortaleza (1984); e escultura no Salão dos Novos de Fortaleza (1973).

“Lajes, jardins, lajes”, com o Grupo Rasura
Nesta exposição, Eduardo Jorge, Henrique Dídimo e Júlio Lira, componentes do Grupo Rasura, propõem um diálogo com a cidade como um campo de ação contínua de afetivização, de vivências em ritmos individuais e coletivos.
A exposição parte da experiência do flâneur, do passeio vagaroso, reconstituindo a cidade nessa atitude de abertura para com a história e a cultura, valendo-se da observação do traço humano em meio aos traços de luz e movimento.
O objetivo é construir um observatório de onde se vislumbram cidades e moradores sobrepostos entre o viável e o inviável. Numa zona híbrida de textos, o espectador da mostra poderá ver fotos, vídeo-arte, instalação, silêncio, pontos de fuga, limites.

Três oficinas, debate e encontro com educadores
As inscrições gratuitas para as três oficinas de formação artística – intituladas “Prática de deriva urbana”, “O artista e o mercado” e “Como ocupar espaços subutilizados” – estão abertas na recepção do CCBNB-Fortaleza desde o último dia 7 e prosseguem até o próximo dia 15. A três acontecerão no período de 15 a 17, no horário de 10 às 13 horas, com duração de nove horas-aula. Estão disponíveis 15 vagas para a primeira oficina e 20 vagas para cada uma das outras duas.
A oficina “O artista e o mercado” será ministrada pelo Grupo Experiência Imersiva Ambiental (EIA), de São Paulo. O objetivo do curso é trazer uma discussão, reflexão e proposta de produção artística em torno de temas que estejam ligados à relação artista/profissionalização/mercado. Na oficina, estarão em foco questões de publicidade e propaganda política, no intuito de formar um conhecimento coletivo, aprofundado e consciente.
Na oficina “Prática da deriva urbana”, conduzida pelo Coletivo Entretantos, do Espírito Santo, a cidade será considerada como a própria obra de arte e não como suporte para a intervenção. Os alunos se apropriarão de forma crítica dos espaços percorridos, através do olhar artístico e da apreensão subjetiva e objetiva, produzindo registros, mapas, textos e, posteriormente, propondo novas relações com esses lugares e redesenhando a postura do artista em face da complexidade da realidade do espaço.
O Grupo de Interferência Ambiental (GIA), da Bahia, que facilitará a oficina “Como ocupar espaços subutilizados”, propõe formas inusitadas de apreender o espaço urbano, aproximando arte e cotidiano através de manifestações artísticas realizadas, preferencialmente, nas ruas da cidade. Aqui, surge uma nova proposta de diálogo entre arte, cidade e indivíduo.
No sábado, 18, de 18 às 20 horas, o programa Troca de Idéias colocará em debate o tema “Experiências na prática urbana em Fortaleza”, tendo como figuras centrais os integrantes dos grupos EIA, Entretantos e GIA e mediação de representantes do Coletivo Interatividade, do Ceará. Os grupos compartilharão com o público suas experiências em Fortaleza. 
 

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP