Dia Nacional de Combate ao Fumo

0

Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), cerca de 200 mil trabalhadores são prejudicados por ano em todo o mundo pela fumaça no trabalho

A Aliança de Controle do Tabagismo (ACT) lança essa semana a publicação “Ambientes de Trabalho Livres de Fumo – Manual para Tornar sua Empresa mais Produtiva, Segura e Saudável”. O documento é dirigido a empresas e instituições – inclusive estabelecimentos públicos – que desejam adotar uma política de ambiente de trabalho livre do fumo. A partir de 29 de agosto,  estará disponível para download gratuito pelo site www.actbr.org.br. A iniciativa tem o apoio da Johnson & Johnson.

Segundo a socióloga Paula Johns, diretora executiva da ACT, o manual é um instrumento importantíssimo para ajudar as empresas a proporcionar um ambiente de trabalho mais saudável para todos.

“Os donos de empresas que adotaram essa medida, tiveram uma experiência muito positiva. É claro que, dentro de uma sociedade, cada um tem o seu papel a cumprir. O papel do empresário é zelar pela saúde dos seus funcionários e seus clientes; o papel do governo é fazer com que as leis existentes sejam cumpridas; e é nossa parte promover que cada um faça o seu dever de casa”, explica Paula.

É importante que as empresas tomem iniciativas por conta própria, porque infelizmente, como acontece em São Paulo, o poder público ainda é omisso em relação ao tema. Nem mesmo a lei federal que proíbe o fumo em ambientes fechados, em vigor desde 1996, é devidamente cumprida por falta de fiscalização.

O Manual, traduzido e adaptado para o Brasil pela ACT, será apresentado por Paula Johns, que é também membro do conselho diretor da Framework Convention Alliance e do Conselho Estadual de Entorpecentes de SP. O documento baseia-se nas diretrizes do artigo 8 da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco, primeiro tratado global de saúde do qual o Brasil é signatário, e foi elaborado pela Global Smokefree Partnership (Parceria Global para Ambientes Livres do Fumo), organização não-governamental que reúne cerca de 500 instituições e parceiros, em mais de 60 países.

A Johnson&Johnson, parceira da ACT nesta empreitada, foi a primeira companhia no Brasil a receber oficialmente o selo Ambiente Livre do Tabaco, criado pela Secretaria Estadual da Saúde, voltado para estabelecimentos comerciais, prédios públicos e empresas interessadas em coibir o fumo em suas dependências, com o objetivo de garantir que o tabaco não prejudique a saúde de quem não é fumante.


Dia Nacional de Combate ao Fumo

 

Na véspera da comemoração do Dia Nacional de Combate ao Fumo, comemorado em 29 de agosto, a apresentação do Manual é uma tentativa de incentivar as organizações sediadas no país a seguirem o exemplo de diversas empresas ao redor do mundo que já proporcionam ambientes de trabalho saudáveis e muito mais produtivos para os trabalhadores.

Nos países que já adotaram a proibição total de fumo em locais fechados, a medida é um sucesso. Um exemplo é o Smoke-free Air Act, de Nova Iorque, atestando que a proibição do fumo é uma solução viável para o problema.

Em pesquisa feita recentemente pela Data Folha, a grande maioria da população brasileira (88%) é contrária ao fumo em locais fechados, sendo 82% totalmente contra.  É interessante observar que 80% dos fumantes também são contrários ao fumo em locais fechados, sendo 69% totalmente contra.

Os resultados demonstram que a população está cada vez mais consciente dos riscos do fumo passivo. A exposição à fumaça é um problema grave, e nem a ventilação dos ambientes fechados consegue eliminar os diversos componentes tóxicos do cigarro.

Segundo a Sociedade Americana de Engenheiros de Aquecimento, Refrigeração e Condicionamento de Ar (ASHRAE), o órgão de referência dessa área da engenharia nos Estados Unidos, “nenhuma tecnologia de engenharia de ventilação atual demonstrou controlar os riscos impostos pela exposição à PTA, apenas reduzi-los e controlar questões de conforto relacionadas ao odor e à irritação sensorial”.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP