JORNAL DO COMMERCIO, O MAIS ANTIGO DO PAÍS, FECHA AS PORTAS

0

O Jornal do Commercio, o mais antigo do Brasil e da América Latina, chegou hoje às bancas e aos assinantes pela última vez. Seus profissionais foram comunicados das demissões e da decisão do controlador, os Diários Associados, do encerramento do veículo sediado no Rio de Janeiro. O que estimulou ontem, 28, inúmeros comunicados de profissionais de imprensa nas redes sociais. Vicente Nunes, editor de Economia do Correio Braziliense, veículo que integra a rede dos Diários Associados, e Sônia Araripe, editora de Plurale em revista e Plurale em site (plurale.com.br) pontuaram com precisão o clima em torno dessa página da história e da trajetória de um veículo que hoje fecha as suas portas.

Notícia triste: o Jornal do Commercio, no qual comecei minha carreira como jornalista, vai acabar. A última edição circulará nesta sexta-feira, 29. Comecei como estagiário e saí de lá para O Globo como repórter especial. Lá, construí todas as bases como profissional. Fiz amigos que carrego até hoje no meu coração. Vicente Nunes
O Jornal do Commercio – Rio de Janeiro deixará de circular nesta sexta-feira.
Ali aprendi tanto….com mestres da melhor “safra”….como Ricardo Bueno, Luiz Cesar Telles Faro , Aziz Ahmed , Antonio Calegari e taaantos outros.
Na Rua do Livramento, 189 fizemos uma “família” e tanto, com amigos de toda a vida como Coriolano Gatto , Sérgio Costa , Vicente Nunes , Regina Pires, Katia Perelberg , Ronaldo Lapa , Salino, Jorge Clapp e Vagner Ricardo, Mário Russo – aqui representando toda a excelente turma da edição, copy e revisão , Ledy Mendes Gonzalez, Liana Verdini , Katia Luane Sousa , Gilberto Scofield Jr. , Cristina Alves , Mariza Louven , Rosa Cass , Nadja Sampaio , Teresa Garcia , Rosenildo Ferreira , Celeste Cintra , Verônica Couto , Sonia Toledo , Sonia Azevedo , Marion Monteiro , Deolinda Saraiva , Cezar Faccioli, Ali Celestino , Adilson Vasconcelos , Cesar Costa , Miguel Bueno , Inês Vasconcellos , Selma, da turma do fax/telex, dos motoristas e taaanta gente boa que a memória – certamente – vai me trair e ficou com a desculpa que não caberiam todos aqui neste post.
Lembranças do pé sujo….do pescoção …. da conversa boa…..das laudas e mais laudas para preencher com máquina de escrever (antes dos computadores)…..do “seboso” de papel (caderno com telefones)….do “osso” (único telefone que fazia DDD)…..ah….de tudo. Sônia Araripe.

A CAPA DERRADEIRA

jcommercio

A TRAJETÓRIA DO JORNAL

A primeira edição do Jornal do Commercio, criado pelo francês Pierre Plancher, circulou no dia 1º de outubro de 1827. Testemunha viva da história, o Jornal do Commercio atravessou as mais diferentes fases do País cumprindo o seu papel de manter informado o público em geral, com a agilidade permitida pela tecnologia de cada época, e de ajudar homens de negócios e executivos em seus processos de tomada de decisão.

Pierre Plancher, o fundador, antes de chegar ao Brasil, era, em Paris, editor de Voltaire, de Benjamin Constant de Rebecque e de outros destacados intelectuais. Também se destacava na França como um mestre das artes gráficas. Por não se enquadrar no regime então vigente na França e perseguido por suas tendências liberais na época da Restauração, sob Luiz XVIII, teve de emigrar. Chegou ao Brasil em 1824 e aqui instalou prontamente sua oficina.

O francês trouxe modernos equipamentos e alguns operários especializados que representavam, na época, o que de mais avançado existia no ramo. Fundou dois jornais, um deles o JORNAL DO COMMERCIO, que se seguiu ao primeiro, denominado SPECTADOR BRASILEIRO, que circulou até o dia 23 de maio de 1827.

O Jornal do Commercio surgiu tendo como foco a economia, com base nas publicações Preços Correntes, Notícias Marítimas e Movimento de Importação e Exportação editadas por Plancher desde sua chegada ao Rio. Em pouco tempo, transformou-se em folha política e comercial, em um momento em que a situação do País, que vivia então os primeiros anos após a Independência, era inquietante. Pedro I, pressionado pelos portugueses, ia fazendo concessões que poderiam prejudicar os brasileiros e o Jornal do Commercio, assim, entrou em campo para defender os interesses nacionais, uma característica que preservou ao longo de sua história.

Plancher retornou a Paris quando mudou o regime francês e teve como sucessores na sua direção os franceses Junius Villeneuve, Francisco Picot e Julio de Villeneuve, que mantiveram o importante diário até 1890. Durante este período eram colaboradores, entre outros, Justiniano José da Rocha, José Maria da Silva Paranhos, o visconde do Rio Branco, Carlos de Laet, Francisco Octaviano, José de Alencar, Homem de Mello, Joaquim Nabuco e Guerra Junqueiro, entre outros intelectuais. O próprio Pedro II escrevia sob pseudônimo no jornal e influía em seus editoriais, a ponto de um destes ter causado a queda do Ministério.

Com seus colaboradores de nível tão alto, o jornal desempenhou o papel de precursor da Academia Brasileira de Letras, cuja fundação somente ocorreria a 20 de julho de 1897, tendo como seu primeiro presidente o escritor Machado de Assis.

O Jornal do Commercio viveu um quarto de século (de 1890 a 1915) sob a direção de José Carlos Rodrigues, um mestre do jornalismo que efetuou notáveis transformações no jornal. Nele Rui Barbosa publicou as famosas Cartas da Inglaterra sob o caso Dreyfus. Entre os colaboradores destacavam-se José Veríssimo, Visconde de Taunay, Alcindo Guanabara, Araripe Junior, Afonso Celso e outros. Era então editorialista José Maria da Silva Paranhos (filho), Barão do Rio Branco.

José Carlos Rodrigues foi sucedido pelo comendador Antonio Pereira Botelho, quando já chefiava a redação Félix Pacheco que, em 1923, assumiria a direção e a propriedade da empresa. Homem de alto saber, Félix Pacheco coligiu materiais que estavam espalhados e organizou um histórico sobre o jornal. De 1900 a 1908, com vinte e poucos anos de idade, dirigiu o instituto que, posteriormente, viria a ter o seu nome – Instituto Félix Pacheco. Senador, membro da Academia Brasileira de Letras e Ministro das Relações Exteriores no governo Artur Bernardes, Félix Pacheco morreu em 1935, sucedendo-lhe Elmano Cardim que até 1957 comandou o tradicional diário.

A partir de 1957 e até 1959, o Jornal do Commercio permaneceu sob a direção de Francisco Clementino de San Tiago Dantas, presidente da Comissão Jurídica Internacional e catedrático de Direito Civil da Faculdade Nacional de Direito.

De 1959 para cá, o veteraníssimo jornal integra os Diários e Emissoras Associados, organização fundada por Francisco de Assis Chateaubriand Bandeira de Mello, falecido em 1968, jornalista empreendedor que construiu a mais importante rede de jornais, rádios e televisões da América Latina. Presidiu-o no período de 1982/93 o jornalista Austregésilo de Athayde, ex-presidente da Academia Brasileira de Letras, e um dos redatores da Declaração Universal dos Direitos do Homem. Posteriormente, a presidência passou para Ibanor Tartarotti.

 

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP