LUXO. A VIDA NADA FÁCIL

0

O rap, o hiphop, o spirit, o funk e os MCs ostentação são, hoje, o maior pesadelo das gigantes do mundo do luxo e das agências de publicidade que as atendem.

MERCADO DE LUXO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um raper na frente de uma BMW, uma Ferrari ou um Camaro (se for amarelo, então…), cercado de “popozudas” e daquelas que ostentam “air-bags duplos” e bolsas Louis Vuitton, extravagantes colares Tiffany´s, derramando o espumante da viúva, a Clicquot, ou de Dom Perignon em partes íntimas ou exibindo barras de ouro ou notas de reais ou dólares, deixam as marcas e seus executivos de cabelo em pé.

É que, se durante décadas, venderam um padrão de comportamento que pudesse ser aspiracional, com belas paisagens, modelos comportados (daqueles que faziam a alegria das famílias tradicionais como a eterna garota-propaganda da Tiffany`s, Audrey Hepburn), a classse C, D e E chegou no pedaço, enriqueceu, comprou os produtos de marca e os exibe. O conceito de beleza e paisagens são outros.

Não é bem esse o marketing gratuito que as marcas desejavam, mas é certamente o doce sabor da vingança daqueles que foram criados ouvindo falar que isso ou aquilo era chic. Agora, podem comprar e abusam da exibição, desmontam o chic que existe por trás desses produtos, aquele valor intangível.

Não é só a turma da música que rola na periferia e nos alto-falantes dos carros que está deixando marcas e executivos de publicidade focados no mercado de luxo absolutamente perdidos, sem saber o que fazer. O que não faltam são blogs de “ coxinhas” e “ empadas”. Exibem os produtos e, agora, nem precisam mais pagar por eles: as marcas os doam para um mailing que assessores e caçadores de tendência consideram relevantes acreditando que se trata de bela estratégia de marketing de relacionamento.

O drama é que, assim, essas vão aceleradamente perdendo valor, mas para algumas agências tanto melhor ver uma bolsa Louis-Vuiton nas mãos de uma celebridade frívola de ocasião do que na de Valeska Popozuda. Beijinho no ombro das despeitadas: Valeska vende mais que elas e impõe mais respeito e tem mais conteúdo, mas conteúdo nos novos tempos é o que menos importa. E Valeska, é claro, confira, não é C&A, mas usa e abusa das marcas. http://youtu.be/73sbW7gjBeo

Só que essas discrepâncias revelam que o mundo das marcas de luxo agora se apresenta num nível bem mais baixo, para lá de baixo. A nova realidade monetária, sobretudo dos países emergentes, mostra apenas que exposições como a que ocupou a Faap neste ano de 2014, exibindo jóias do Catar, como as usadas por Diana, a eterna princesa de Gales, perderam o sentido, não deixam mais ninguém de queixo caído, nem a turma da ostentação nem aquela que gostava de ostentar, talvez apenas as blogueiras de ocasião se seduzam. As agências também se perdem nesse riscado. E dançam, dançam. A vida para as marcas de luxo não anda nada fácil.

E se as agências já enfrentam dificuldades com as marcas de luxo, também têm grande desafio em relação ao comércio. Pesquisa Ibope/Conecta divulgada logo após a Copa de 2014 mostrou que o jovem internauta brasileiro possui, em média, perfil em 7 redes sociais. As mais populares são: Facebook (96% possuem perfil), YouTube (79%), Skype ( 69%), Google+ (67%) e Twitter (64%). Navegar nessas redes é um hábito de 90% dos internautas de todo o país com idade entre 15 e 32 anos. Outras atividades comuns na web são buscar informações (86%), acompanhar notícias (74%), assistir a vídeos (71%), ouvir música (64%) e trocar e-mails. Muitos jovens começam também a aderir a rede Ello, mas está ainda enfrenta restrições operacionais para o ingresso em massa, o que deve ocorrer em 2015. O compromisso da rede é cortar publicidade e negócios me torno do mailing dos usuários. A ver.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP