Merck patrocina projeto sobre o artista Nhozinho

0

A vida e obra de um dos principais expoentes da cultura maranhense, Antônio Bruno Pinto Nogueira, ou Nhozinho, composta por um rico acervo espalhado por todo o país, será reunido em um livro bilíngüe (português-inglês) e em uma exposição que serão lançados em novembro, no Rio de Janeiro.

O projeto intitulado Nhozinho: imensas miudezas será lançado no dia 21 de novembro, às 19 horas, para convidados, e a partir do dia 22 de novembro para o público em geral, na Galeria Mestre Vitalino, no Museu do Folclore, à Rua do Catete, 179, Catete, Rio de Janeiro. O livro e a exposição têm o patrocínio da Merck S.A, e é mais uma iniciativa da empresa no apoio à cultura e à inclusão social de pessoas portadoras de deficiência.

Nhozinho nasceu em 1904, em Bacuripanã, no Maranhão. Notável por suas esculturas, principalmente as reproduções das figuras do Bumba-meu-boi, a mais importante manifestação da cultura popular do estado, o talento de Nhozinho superou até as limitações impostas pela sífilis, surgida aos 12 anos de idade. A doença foi deformando o corpo do artista e fazendo com que ele improvisasse ferramentas que se adaptassem às suas condições físicas, como um carrinho de madeira que ele fabricou para se locomover devido à amputação de suas duas pernas, dando um exemplo único de superação de limites.

O livro Nhozinho: imensas miudezas é composto por artigos escritos por figuras de diversas áreas do conhecimento como Luciana Carvalho, pesquisadora e antropóloga, Paulo Herkenhoff, crítico e curador de arte, Lélia Coelho Frota, escritora e historiadora de arte, Maria Michol, pesquisadora e superintendente de cultura popular da Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão, e Zeca Baleiro, cantor e compositor maranhense, abordam aspectos distintos como a vida e a obra do artista; a arte popular brasileira; as relações entre a arte contemporânea e a arte popular e o Bumba-meu-boi do Maranhão, tema principal da obra de Nhozinho.

Além dos artigos o livro traz imagens de peças do artista que estão espalhadas por todo o país, em coleções particulares e institucionais, a grande maioria inédita, e fotos do acervo da família.

Já a exposição será composta por obras originais do artista, abrangendo diversas fases de sua produção, num total aproximado de até 100 obras; fotografias de apresentações do Bumba-meu-boi (declarado este ano patrimônio cultural da humanidade pela Unesco – Organização das Nações Unidas para a educação, a Ciência e a Cultura) e da região de Curupuru, onde o artista nasceu e passou sua infância; objetos originais do Bumba, como indumentárias diversas, instrumentos musicais, boi, entre outros; documentário construído a partir de depoimentos de familiares e amigos de Nhozinho, de brincantes e organizadores de grupos de Bumba do “sotaque” costa-de-mão, de artesãos, de estudiosos e especialistas.

A obra do artista pode ser dividida em três fases: a primitiva, onde aparece meramente como artesão; a estética, onde as figuras são proporcionais, mas imóveis; e a última, onde dá movimento às suas figuras. Nessa última fase, suas obras se assemelham a de outro importante artesão nordestino: Mestre Vitalino, que reproduzia em barro figuras populares, com uma riqueza de detalhes ímpar. Ao contrário do pernambucano Vitalino, Nhozinho utilizava como matéria-prima a madeira macia do buriti. Extraídos principalmente do folclore, os bonecos de Nhozinho são vestidos de acordo com a figura popular que se propõem representar, o que lhes dá vida.

Em 1956, o poeta Ferreira Gullar, em artigo escrito para a revista Manchete, deu o seguinte depoimento sobre o artista que compõe o prefácio da obra: “Rara é a pessoa em São Luís que não o conhece e mais rara a que, conhecendo-o, não goste dele. Por que os sofrimentos não conseguiram matar, nem atrofiar, em Nhozinho, a criança de doze anos que punha canoa de buriti na correnteza da chuva. Pelo contrário (e não vai nisto um elogio à doença): parece que os sofrimentos conservaram a criança”.

Antes do projeto Nhozinho: imensas miudezas, a Merck S.A. apoiou a mostra “De Mãos Dadas – Revisitando o Brasil”, exposição de obras de 16 artistas portadores de deficiência física. Nhozinho foi um dos artistas homenageados, ao lado de Aleijadinho e Anita Malfatti.

A Merck S.A. identificou na obra e na história da vida de Nhozinho uma forma de divulgar a cultura popular do Maranhão, onde está presente há quase 40 anos. Com duas unidades no estado, a divisão de Produtos Naturais da empresa produz e fornece matérias-primas extraídas de plantas, que são utilizadas em medicamentos, suplementos alimentares e cosméticos.

 

 

Trechos de artigos que compõem o livro Nhozinho: imensas miudezas:

“A riqueza dos personagens e situações retratados na obra de Nhozinho é tanta que a sua identificação no universo da brincadeira do Bumba maranhense torna-se tarefa fácil e prazerosa.” Maria Michol

“Nhozinho legou aos muitos artesãos e artistas populares do Maranhão um estilo de produção artística altamente representativo dos modos de ser e viver de seu povo, com o qual parece ter-se identificado, em muitos aspectos, ao longo de toda a vida.”  Luciana Carvalho 

“Nhozinho deseja dar testemunho do seu tempo, e “escreve” a sua história através da fixação da sociabilidade e da festa.” Lélia Coelho Frota

 “A tarefa afetiva de Nhozinho parece ter sido inverter o sentido de toda rejeição e limite.” Paulo Herkenhoff

“Suas rodas de brincantes, suas embarcações de buriti, suas miniaturas com roupas de malacacheta, são todas obras que exigem paciência de monge e rigor de esteta, e são prova material do amor que o artista nutriu pelo seu povo, os tipos populares sobre os quais lançou seu olhar atento e amoroso, como só os poetas sabem fazê-lo.” Zeca Baleiro

 

 

 

Serviço:

Apresentação do livro e exposição

Nhozinho: imensas miudezas

Data: 22 de novembro 2007 a 24 de fevereiro de 2008

Terça a sexta-feira, das 10 às 18 horas

Sábados, domingos e feriados, das 15 às 18 horas

Local: Galeria Mestre Vitalino – Museu do Folclore

Rua do Catete, 179 e 181, Catete, Rio de Janeiro – RJ

Entrada gratuita

Informações: (21) 2285-0441

Patrocínio: Merck S.A.

www.nhozinho.art.br

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP