MICHELIN FARÁ PNEUS AGRÍCOLAS NO BRASIL

0

A Michelin acredita e investe no Brasil. Atenta às necessidades do mercado nacional e às demandas dos clientes dos diversos ramos de atividades do agronegócio, a empresa reforça a sua presença no país, onde está presente industrialmente há mais de 30 anos, e anuncia a produção de pneus agrícolas em sua unidade fabril de Campo Grande, no Rio de Janeiro.
“O Brasil, país com a maior extensão de terras aráveis no mundo, apesar de ter evoluído significativamente na competitividade do setor agrícola, tem o desafio de progredir de forma expressiva nos próximos anos. A oferta de pneus agrícolas com a tecnologia de ponta MICHELIN vem para contribuir, de forma significativa, para a produtividade da agricultura nacional, responsável hoje por 23% do PIB brasileiro”, explica Nour Bouhassoun, presidente da Michelin na América do Sul.
O executivo destaca a importância do agronegócio, um dos principais eixos do desenvolvimento econômico sustentável, para alavancar a economia do país, uma vez que garante a produção de mais alimentos, aumenta a fixação do homem no campo e promove a geração de emprego e renda. “Considerando que o pneu é o elo entre a máquina agrícola e o solo, é possível atribuir a ele uma série de resultados positivos relacionados à produção e à rentabilidade da lavoura”, enfatiza.
Liderada pela Michelin, a radialização dos pneus agrícolas é uma das principais alavancas de desenvolvimento do setor, oferecendo ao agricultor um produto de alta durabilidade, capaz de reduzir a compactação do solo e economizar combustível.
“Com a mecanização, a produtividade da agricultura brasileira tem evoluído progressivamente, mas ainda há espaço para continuar crescendo. Hoje, apenas cerca de 6% dos pneus agrícolas vendidos no Brasil são radiais, enquanto que na Europa esse número chega a 87%. Apostando neste potencial, a Michelin tem como meta consolidar sua liderança no mercado brasileiro de pneus radiais agrícolas, contribuindo assim de forma significativa para esse avanço”, afirma Emmanuel Ladent, Diretor Mundial da Divisão Agrícola da Michelin.
« PRODUZIR MAIS E MELHOR » EM PROL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Atualmente, os agricultores se deparam com um desafio em comum: maximizar sua produtividade e reduzir os custos operacionais. Atendendo à esta demanda, além da tecnologia MICHELIN Radial, a Michelin levará à sua linha de produção agrícola no Brasil, a tecnologia MICHELIN Ultraflex.
Esta revolucionária inovação que, graças à sua capacidade para trabalhar sob baixa pressão, compacta menos o solo e obtém melhor rendimento, responde a um duplo desafio do mercado: melhorar a produtividade, acompanhando a evolução do maquinário agrícola, ao mesmo tempo em que contribui para a preservação do meio ambiente, protegendo solos e economizando combustível.
“Ao iniciar a fabricação de pneus agrícolas na América do Sul, a Michelin tem o objetivo de contribuir para o desenvolvimento de uma produção agrícola com a preservação máxima do solo. Um dos maiores desafios deste século é garantir a oferta de alimentos para as mais de 8,5 bilhões de pessoas que deverão habitar o mundo no futuro, preservando os recursos naturais do planeta”, explica Bouhassoun.
Segundo um estudo independente realizado pela universidade britânica Harper Adams, o aumento de produtividade de uma lavoura é de 4% quando todas as máquinas envolvidas na produção têm os pneus radiais substituídos por pneus com a tecnologia MICHELIN Ultraflex IF (Increased Flexion) e VF (Very High Flexion).
De acordo com Christian Mendonça, Diretor de Comércio e Marketing de Pneus Agrícolas da Michelin América do Sul, “se trouxermos este estudo para a realidade brasileira, podemos dizer que um produtor de 2.000ha consegue uma produtividade média de soja de 3.120 kg/ha (52 sacas/ha). Com este aumento de 4% na sua produtividade, considerando o preço da saca de 60 kg de soja a R$ 80,00 (*), há um ganho real de mais de R$ 320.000,00 por safra”.
(*) cotação média do mês no MT (Dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária – Imea).

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP