MUSEU DO ÍNDIO: RETRATO DO ABANDONO

0

A pouco mais de dois meses do início dos Jogos Olímpicos, o Museu do Índio – próximo ao estádio do Maracanã – é um retrato do abandono. A promessa de transformar o local em um Centro de Referência da Cultura Indígena a tempo das disputas olímpicas ficou só no papel e líderes indígenas que moravam no prédio desde 2006 criticam a falta de interesse do Poder Público de resolver o problema. O local foi alvo de disputa no início de 2013 quando o governo do estado do Rio anunciou a intenção de derrubar o prédio para construção do Complexo do Maracanã, que receberia partidas da Copa de 2014.

Vinícius Lisboa/Repórter da Agência Brasil

Um grupo de indígenas que ocupava o prédio desde 2006 – e deu ao museu o nome de Aldeia Maracanã – se recusou a deixar o local e duas determinações de reintegração de posse foram cumpridas pela Polícia Militar, uma em março de 2013 e outra em dezembro.

O cacique Carlos Tucano afirmou que o grupo foi vitorioso, porque o governo do estado decidiu não demolir o antigo museu do índio (Tânia Rêgo/Agência Brasil)
“Ficamos escondidos na Copa do Mundo. E, com a chegada das Olimpíadas, vão ser mostradas mais uma vez para o Brasil e para o mundo as ruínas do Museu do Índio, onde éramos para estar recebendo visitantes de 200 países”, diz o cacique Carlos Tukano. Foto: Tânia Rêgo/Arquivo Agência Brasil

À época, o cacique Carlos Tukano preferiu apostar no diálogo para deixar a ocupação da Aldeia Maracanã – e recebeu críticas de outros indígenas por isso. O líder aceitou sair do prédio antes da primeira reintegração de posse. Meses depois, leu o decreto assinado pelo então governador Sérgio Cabral de que a antiga sede do Museu do Índio voltaria a ser destinada à cultura indígena. Por fim, marcou no calendário a data de abril de 2016 como a que voltaria a usar o espaço, a tempo de divulgar a tradição indígena brasileira para o público da Olimpíada e da Paralimpíada.

O prazo se esgotou e o Centro de Referência da Cultura Indígena prometido não tem projeto básico ou executivo, etapas anteriores ao início da restauração. Segundo a Casa Civil do governo do estado do Rio de Janeiro, a responsabilidade de custear a reforma do prédio estava a cargo do consórcio que assumiu a concessão do Maracanã. O contrato que previa essa obrigação, no entanto, está sendo renegociado, e, enquanto não houver uma definição, não haverá novidades para o prédio.

“Ficamos escondidos na Copa do Mundo. E, com a chegada das Olimpíadas, vão ser mostradas mais uma vez para o Brasil e para o mundo as ruínas do Museu do Índio, onde éramos para estar recebendo visitantes de 200 países. Está ficando vergonhoso para o governo, e muito mais para nós”, diz Tukano, que se sente constrangido. “Fico passando de mentiroso, o cacique Tukano mentiroso”.

Depois de saírem do Museu do Índio, os ocupantes que entraram em acordo com o governo do estado moraram por cerca de um ano e meio em contêineres na Colônia Curupaiti, em Jacarepaguá. Em junho de 2014, se mudaram para um condomínio do Minha Casa, Minha Vida, no centro do Rio. Essa mudança, conta Tukano, forçou a uma mudança de cultura do grupo que, acostumado à convivência coletiva desde 2006, quando iniciaram a ocupação e passaram a receber visitantes de diversas aldeias do país, passaram a ficar mais isolados.

“Ficamos isolados. Aqui é muito restrito. Não temos espaços como no Maracanã e no Curupaiti. Não temos espaço para fazer nosso trabalho e receber pessoas que vêm nos visitar e que acreditam na cultura indígena”.

Renegociação com Consórcio Maracanã

Rio de Janeiro - Prédio do antigo Museu do Índio, ao lado do Maracanã, zona norte da cidade (Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Rio de Janeiro – Prédio do antigo Museu do Índio, ao lado do Maracanã, zona norte da cidade. Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

O projeto inicial de licitação do estádio do Maracanã previa a construção de um shopping e de um estacionamento, e a demolição do Estádio de Atletismo Célio de Barros e do Parque Aquático Júlio Delamare, o que não ocorreu devido à pressão popular. Em outubro de 2015, o secretário da Casa Civil, Leonardo Espíndola, reconheceu as dificuldades da negociação por conta da mudança no escopo do contrato e admitiu a possibilidade de um termo aditivo. A concessionária, cuja maior participante é a Odebrecht, informa apenas que as negociações para o “reequilíbrio do contrato” estão em andamento.

O governo do estado, por sua vez, enfrenta dificuldades financeiras. A Secretaria Estadual de Cultura, responsável pelo projeto do centro de referência, informou à Agência Brasil que não tem recursos para os projetos básico e executivo, e que, sem eles, não é possível estabelecer uma previsão de inauguração.

Os projetos também são necessários para que se possa viabilizar a realização de obras emergenciais, atualmente estimadas pela Secretaria Estadual de Cultura em R$ 2 milhões. Mais R$ 17,5 milhões são previstos para o restauro do prédio, e o orçamento total chega a R$ 23,5 milhões se adicionados os equipamentos e o mobiliário. O que se tem até o momento para a construção é um projeto preliminar do restauro, doado pelo escritório Azevedo Agência de Arquitetura.

A Secretaria Estadual de Cultura e representantes da associação indígena chegaram a procurar patrocinadores dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos para buscar recursos privados que viabilizassem as obras emergenciais antes da competição, permitindo que o espaço fosse usado. Estariam incluídas nessa fase a pintura no telhado, a reforma das paredes e a melhoria do piso.

“Fizemos essa proposta a alguns dos patrocinadores das Olimpíadas, e esse investimento inicial, de reforma, já abateria do restauro”, explica Toni Lotar, indigenista da associação que participou das negociações. No entanto, ele reconhece que a tentativa foi levada às empresas com atraso. “Elas planejaram o investimento há 4 anos. Meses antes, elas já estavam na implementação do plano de marketing. E, com a situação do país, ninguém se dispôs a investir mais”, explica.

Rio de Janeiro - Prédio do antigo Museu do Índio, ao lado do Maracanã, zona norte da cidade (Tânia Rêgo/Agência Brasil)
Rio de Janeiro – Prédio do antigo Museu do Índio, ao lado do Maracanã, zona norte da cidade. Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

O pesquisador afirma ter uma “visão realista” de que o governo do estado não vai destinar os recursos ao prédio enquanto houver crise na saúde e atraso de pagamentos.

“Não há resignação. Infelizmente, essa realidade brasileira de crise absoluta se estabeleceu contra o processo de restauro”, lamenta Lotar, que agora busca junto ao Poder Público ao menos a limpeza do prédio, que continua coberto de tapumes e sujo, ao lado do palco da abertura dos Jogos.

“Queria pelo menos conseguir, de algum órgão do governo do estado, que se faça uma limpeza, uma faxina. Pelo menos tirar aquela sujeira e impedir que o principal palco das Olimpíadas esteja poluído visualmente e moralmente por aqueles escombros.”

Grupo divergente

Durante a disputa pelo espaço em 2013, um grupo de indígenas que ocupava a Aldeia Maracanã não fez acordo com o governo do estado e foi retirado à força pela Polícia Militar, que realizou duas operações para desocupar o local – uma em março e outra em dezembro de 2013.

No segundo embate, o indígena Urutau Guajajara ficou 48 horas em cima de uma árvore para resistir às tentativas do governo estadual de esvaziar o prédio, que tinha voltado a ser ocupado cerca de cinco meses depois da primeira reintegração. Ele  afirma que até hoje o grupo volta ao prédio para fazer rituais e danças de diversas etnias sob um pé de jenipapo que fica no terreno.

“Quem acreditou nisso [na reforma prometida]foi um grupo”, diz. “A gente sabia que não iam construir, porque o capital não quer o indígena ali, o movimento social”, completa, defendendo que o consórcio privado responsável pela gestão pelo Maracanã seja o responsável pela reforma. O grupo afirma ainda que move uma ação na Justiça para recuperar a posse e do imóvel.

“O nosso objetivo é voltar para a aldeia”, afirma Guajajara, que avalia que a mobilização indígena teve bons frutos. “Foi revolucionário. É uma referência  nacional e outros movimentos se espalharam. Trouxe a questão dos indígenas no contexto urbano e não havia pesquisa nesse sentido”.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP