NO RIO, OS BONDES ESTÃO DE VOLTA AOS TRILHOS

0

Depois de quatro anos parados, os bondes de Santa Teresa, tradicional bairro na zona central do Rio de Janeiro e cartão-postal da cidade, voltaram a funcionar hoje (27). Enquanto o restante das obras não é concluído, a pré-operação do sistema com passageiros será feita inicialmente entre os Largos da Carioca e do Curvelo, trecho com cerca de 1,7 quilômetro.

Segundo o secretário de Estado de Transportes, Carlos Roberto Osório, as obras só deverão ser concluídas no primeiro semestre de 2017, com a inauguração da última estação, no Silvestre.

No período de pré-operação, o sistema não funcionará nos horários de pico. Os bondes vão circular de segunda a sábado, das 11 às 16h, com intervalos de 20 minutos. Nesta fase, não haverá cobrança de passagem. O embarque e o desembarque estão sendo feitos somente nos pontos de parada e a lotação de cada bonde está limitada a 32 passageiros. No total, 12 agentes da secretaria estarão nas estações dos largos da Carioca e do Curvelo para orientar os usuários do sistema.

Osório disse que a maior vantagem do novo sistema é a segurança. “O novo bonde tem dois objetivos: manter características do original, que é a ‘cara’ de Santa Teresa e agregar tecnologia, principalmente nos quesitos de segurança.”

Segundo o secretário, os bondes têm agora quatro sistemas de freio: o quarto é magnético, de emergência, e será acionado em último caso. Além disso, durante a viagem, não será mais permitido viajar em pé, nem nos estribos – no modelo do novo bonde, os estribos são retráteis e acionáveis no momento de parada dos pontos.

Tarifas

De acordo com Osório, as tarifas só serão cobradas após a inauguração da próxima estação, no Largo dos Guimarães, centro comercial de Santa Teresa, prevista para outubro, após a conclusão das obras e de testes. O secretário garantiu que o valor da passagem será inferior ao do ônibus municipal, que hoje é R$ 3,40. “As tarifas ainda estão sendo estudadas e vão ser discutidas com os moradores de Santa Teresa.”

Segundo Osório, estuda-se com a prefeitura a integração dos bondes ao bilhete único municipal e intermunicipal (sistema no qual os passageiros podem pegar dois coletivos, no período entre duas horas e meia e três horas, e pagar o valor único de R$ 3,40 e R$ 5,90, respectivamente.

Em seu último dia de férias no Rio, a paulista Laura Paganini, publicitária de 27 anos, disse que ficou feliz por ter tido a experiência de andar no bonde antes de retornar a sua cidade. “Gostei muito do passeio, o bonde passou segurança e, além disso o bairro é muito bonito, com uma vista incrível. Valeu a pena.”

Moradora de Santa Teresa, a fotógrafa e designer Isabel Mattos Ferreira lamenta que o bonde ainda não tenha chegado à área onde vive, mas considera a reinauguração do sistema um ganho para o bairro. “Vim para ver o bonde e testar. Foi uma viagem muito tranquila. Estou esperando as outras estações abrirem não só para servir de transporte a nós, moradores, mas trazer esse charme dos bondinhos de volta para Santa Teresa.”

A previsão inicial era que o novo bonde ficasse pronto até a Copa do Mundo do ano passado, mas problemas com a execução das obras provocaram diversos atrasos. Parte da obra, inclusive, precisou ser refeita no trecho Carioca-Curvelo, devido a um erro na instalação do rejunte dos trilhos, o que impedia o acionamento do freio dos bondes.  Devido às falhas operacionais na execução dos trabalhos, a empresa concessionária responsável pelas obras, Elmo Azvi, recebeu este ano duas multas que, somadas, chegam a R$ 1,35 milhão.

Além dos atrasos e das falhas, outro imprevisto enfrentado durante a execução das obras é o custo, que hoje está em R$ 87,1 milhões, quase 50% mais alto que o valor apresentado inicialmente, de R$ 58,6 milhões. Até o momento, o governo do estado pagou R$ 43,5 milhões, que correspondem à metade do atual orçamento. (Da Agência Brasil)

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP