ORGULHO LGBTS NAS RUAS DE BRASÍLIA CONTRA O PRECONCEITO

0
Por Aline Leal/Repórter da Agência Brasil
 Respeito é ouro (Elza Fiuza/Agência Brasil)
Brasília – A 19ª Parada do Orgulho LGBTS tem como principal mote sensibilizar do governo do Distrito Federal para regulamentar a lei que pune discriminação por razões de orientação sexual. Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil

Milhares de pessoas estão na zona central de Brasília desde o início da tarde de hoje (26) na 19ª Parada do Orgulho LGBTS (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Simpatizantes), que tem como principal mote a sensibilização do governo do Distrito Federal para regulamentar a lei que pune discriminação por razões de orientação sexual.

“A Lei 2.615 foi aprovada em 2000 pela Câmara [Legislativa] do DF, mas na prática precisa de regulamentação para determinar o trâmite que uma denúncia vai ter. Essa ferramenta é fundamental no enfrentamento da homofobia, pois vem punir com multa tanto pessoas quanto estabelecimentos que agirem com discriminação relacionada à afetividade das pessoas”, disse Michel Platini, um dos organizadores do evento. Ele ressaltou que mais importante que o tema escolhido, é a busca das pessoas LGBTS por visibilidade na sociedade.

A concentração da parada começou por volta das 14h, em frente ao Congresso Nacional e deve terminar em frente ao Palácio do Buriti, sede do governo do Distrito Federal. Às 17h, a estimativa da organização era de que cerca de seis mil pessoas estavam reunidas próximas ao trio elétrico.

Em cima do trio, militantes convidavam os participantes da marcha a mudarem, com o voto nas próximas eleições, o atual cenário político do país, considerado por eles conservador.

Brasília - A bancária Valéria Faria participa da 19 Parada do Orgulho LGBTS de Brasília (Elza Fiuza/Agência Brasil)
Brasília – A bancária Valéria Faria lamenta que o preconceito ainda seja muito grande no trabalho e na família. Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil

“Vim [para a parada]pelos meus direitos, pra exigir respeito. A parada é um ato político e também serve para que possamos pedir políticas públicas direcionadas a nós, gays e lésbicas”, disse Valéria Fria, de 49 anos.

A bancária lamenta que o preconceito ainda seja muito grande no trabalho e na família. “Eles dizem que aceitam, que respeitam, mas por trás soltam piadinhas. O que a gente quer é ser tratado como qualquer hétero, sem cara feia”, concluiu Valéria.

O ator Pablo Cunha escolheu Frida Kahlo como personagem para incorporar durante a parada como símbolo de força. “De fora, as pessoas às vezes confundem a parada com uma festa, mas isso tudo é um ato político. Visibilidade a gente tem, mas precisamos ser escutados e atendidos”, enfatizou o ator.

Brasília - O ator Pablo Cunha participa da 19 Parada do Orgulho LGBTS de Brasília, homenageando a artista plástica Frida Kahlo (Elza Fiuza/Agência Brasil)
Brasília – O ator Pablo Cunha lembrou o massacre na boate Pulse que matou 49 pessoas em uma boate gay, nos Estados Unidos. Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil

Segundo Pablo, todos os dias acontecem atos de barbárie contra os homossexuais, porém, o tiroteio na boate gay Pulse, no último dia 12, em Orlando, que deixou 49 mortos, choca as pessoas e evidencia a violência diária que os homossexuais vivem.

Abraçadas, o casal Hosana de Oliveira e Bruna Naiara ouviam uma ativista falar em cima do trio elétrico que todo dia é dia de todos os casais mostrarem afeto, andarem de mão dadas e se abraçarem na rua, independentemente da orientação afetiva.

“Eu sei que a gente não deve evitar andar de mãos dadas e demonstrar carinho na rua porque, agindo assim, as pessoas, quando virem [essas manifestações]vão achar que não é normal. Mas no dia a dia, tenho medo de ser hostilizada, de minha esposa e eu sofrermos violência. Estamos tentando mudar nossa cabeça para assim mudarmos a cabeça dos outros”, desabafou Hosana.

Brasília - O casal Hosana de Oliveira e Bruna Naiara participam da 19 Parada do Orgulho LGBTS de Brasília (Elza Fiuza/Agência Brasil)
Brasília – “Mas no dia a dia, tenho medo de ser hostilizada” disse Hosana, que foi com a companheira Bruna Naiara à 19ª Parada do Orgulho LGBTS de Brasília. Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil
Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP