Os cavalos de tróia estão a solta

0

O aumento do número de internautas que visitam sites de comércio eletrônico aqui no Brasil vêm aumentando junto com o número de golpes e ameaças virtuais que esse tipo de compras facilita. De acordo com o instituto de pesquisas IBOPE/NetRatings, aproximadamente 12,2 milhões de pessoas, ou 57% dos brasileiros com acesso doméstico à internet, visitaram algum site de comércio eletrônico no último período de Natal.
Um estudo divulgado pela empresa de segurança digital F-Secure aponta que 30,7% dos ataques de trojans mundiais são direcionados a instituições bancárias do Brasil – à frente dos Estados Unidos e de outros países da Europa, que contam com maior número de pessoas com acesso à internet.

Os trojans (ou cavalos-de-tróia) são softwares que se infiltram de forma silenciosa no computador e agem liberando portas de entrada para que invasores possam roubar informações sigilosas do usuário. Os trojans bancários geralmente chegam via e-mail. Quando o usuário clica no link enviado junto à mensagem, a praga é automaticamente instalada no computador.
Após a execução, o vírus espera que os internautas acessem websites de bancos. E quando isso acontece, exibe páginas falsas de instituições bancárias, bastante parecidas às verdadeiras. Assim, no momento em que o internauta digita informações como o número da conta, do cartão de crédito ou a senha, elas são enviadas para um cibercriminoso, que desta maneira consegue fazer transferências, pagamentos e compras utilizando a conta da vítima.
Depois de se instalarem nas máquinas, os trojans bancários também criam registros no micro que fazem com que ele se execute automaticamente cada vez que o sistema é iniciado.
Especialistas explicam que uma forma de se proteger é tomando alguns cuidados fundamentais, como não abrir e-mails ou documentos não-solicitados, mesmo que eles pareçam vir de um destinatário conhecido. Além disso é importante sempre ter instalado e manter atualizado um bom anti-spyware, que evita a ação de programas espiões no computador.

 

Via:  Zero Hora – 27 de fevereiro de 2008 / IBOPE

 

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP