PARIS: A MARCHA SILENCIOSA

0

Milhares de franceses saíram às ruas neste domingo na maior manifestação realizada na capital francesa neste século. Os organizadores acreditam que a marcha reuniu perto de dois milhões de pessoas, entre chefes de estados, intelectuais e líderes mundiais.

 

Os principais jornais franceses fizeram uso da internet para publicarem fotos  acompanhando o percurso da marcha silenciosa sobre as ruas de Paris em defesa da liberdade de expressão e opinião e em resposta aos ataques terroristas, que deixaram um saldo de 17 vítimas fatais, das quais 12 no prédio que abriga o jornal satírico Charlie Hebdo na quarta-feira passada. Uma charge ironizando Maomé teria despertado a fúria de extremistas islâmicos. A organização Al-Qaeda assumiu a autoria do atentado, já o segundo atentado que resultou na morte de 5 pessoas foi decorrência da caçada policial aos terroristas, que fizeram reféns num mercado de Paris.

O tradicional jornal Le Figaro abriu enorme foto dando conta do gigantismo da manifestação com a qual abrimos essa edição extraordinária desse histórico dia  11 de janeiro de 2015. E seguiu acompanhando a marcha silenciosa e mudando sua capa na internet durante todo o domingo.

O pequeno filme da agência internacional de notícias AFP, que o colocou no canal de vídeos Youtube, logo quando começou a manifestação, mostra em detalhes as principais autoridades globais no início da marcha.

No dia de hoje, o que chamava a atenção nas bancas de jornais  em Paris era a edição especial do Libération, o Libé como é carinhosamente chamado, jornal que nasceu em 1973 e teve como primeiro editor Jean-Paul Sartre trouxe a capa estampando a frase mais disseminada nas redes sociais nos últimos e a mais usada em manifestações na França e ao redor do mundo: Je suis Charlie, ou seja, Eu sou Charlie, numa resposta aos terroristas de que existem milhões de Charlies. Contra tais atos, a manifestação reuniu dezenas de líderes muçulmanos contrários aos movimentos radicais que colocam em risco a vida também dos islâmicos, sendo que milhares deles, de descendência argelina, como os dois terroristas mortos pela polícia francesa, residem na cidade de Paris.

www.revistapublicitta.capalibe

A marcha republicana, como foi chamada, em favor da liberdade de expressão e opinião, começou às 14h30 e se espalhou por toda Paris, tendo como epicentro a Praça da República.

O jornal Le Monde, um dos mais respeitados da França, por sua independência em opinar e debater os principais temas políticos e sociais, sobretudo a diplomacia também destacou na internet a manifestação abrindo a sua edição da tarde com uma gigantesca foto do ato em Paris, que você confere aqui:

revistapublicitta.lemondecapa

O Le Monde também  destacou a importância do ato em reunir líderes mundiais na capital francesa, que deixaram o Eliseu, o palácio do governo francês, para seguirem a pé como o primeiro François Hollande numa marcha silenciosa. A primeira-ministra alemã Angela Merkel participou do ato que reuniu inclusive líderes como o presidente da Autoridade Palestina,  Mahmoud Abbas, e o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que comandou ataques à Faixa de Gaza em 2014, atingindo inclusive crianças palestinas em escola para refugiados da Organização das Nações Unidas (ONU).

A foto publicada em forma de arte pelo Le Monde dá a dimensão da importância do ato que uniu entre outros os primeiros-ministros da Inglaterra, da Espanha, da Itália, da Turquia e do Egito, além de presidentes e representantes de governo, inclusive do Brasil, além do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

lemonde.chefes

A manifestação foi, sem dúvida, uma demonstração de força e em defesa da liberdade. O problema é o uso que alguns podem tentar fazer desse momento para adotarem políticas restritivas, sobretudo visando atingir a população islâmica, que nada tem a ver com atos terroristas de radicais.

Que a liberdade e a paz prevaleçam, ainda que líderes políticos se mostrem muitas vezes despreparados para tornar esse ideal realidade e acabam por fomentar a guerra e a falta de unidade tão importante em momentos como esse em que a humanidade pode dar um passo à frente contra a intolerância e as suas várias faces.

Compartilhar.

Sobre o autor

Carlos Franco

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP