Revolução musical

0

As vendas de música digital cresceram 40% em 2007 movimentando cerca de US$ 2.9 bilhões no mundo. Em 2006 o faturamento havia sido de US$ 2.1 bilhões.  Com esse registro a música digital passa a representar 15% das receitas totais da industria fonográfica mundial. Em 2006 esse segmento era de 11% nas vendas de música e em 2003 era praticamente inexistente, o que faz da música o setor mais avançado digitalmente da área de entretenimento, atrás apenas do setor de jogos eletrônicos.

Os Estados Unidos, o Japão e o Reino Unido lideram o ranking de vendas de músicas digitais no mundo (ver quadro a seguir). Estima-se que para cada download feito a partir de lojas “on-line” devidamente autorizadas, 20 são feitos de forma ilegal, infringindo a lei e os Direitos Autorais.

Pela primeira vez a ABPD divulga estatísticas oficiais sobre o mercado de música digital no País, antecipando parte do relatório que será divulgado na primeira quinzena de Março, juntamente com as estatísticas de 2007, de vendas de CDs e DVDs. As receitas com música digital no Brasil, apresentaram no ano passado, aumento de 185% em relação a 2006. As vendas através de telefonia celular cresceram 157% em 2007 e suas receitas representaram 76% do total do mercado digital. Entretanto, houve também um crescimento notável nas receitas advindas de licenciamentos e vendas pela Internet, que representaram em 2007 24% do mercado digital (Internet e Telefonia Móvel), enquanto este percentual em 2006, era equivalente a apenas 4%. 

Estima-se que 8% do faturamento total do Mercado Brasileiro de Música em 2007 tenha sido advindo das vendas digitais. Em 2006 esse percentual foi de apenas 2%.

“O Digital Music Report preparado pelo IFPI é a mais detalhada e importante publicação anual sobre o mercado de música digital no mundo, fruto de minucioso trabalho de compilação de informações e estatísticas fornecidas pelos maiores produtores de música de cada País. Fica claramente demonstrado como a diversificação de modelos de negócio tanto na Internet como na telefonia móvel, está sendo benéfica para criadores e produtores de música, e nos permite vislumbrar um futuro em que as receitas digitais compensarão a redução verificada nos últimos anos no mercado de suportes físicos contendo música. Entretanto, para que este futuro se torne realidade, segundo aponta muito bem o IFPI, é imperativo que os Provedores de Acesso à Internet assumam um papel muito mais (pró-) ativo e eficaz na proteção dos direitos dos criadores de música, que vem sendo sistemática e flagrantemente desrespeitados em suas redes, em benefício de um mercado on-line sadio e legítimo.” (Paulo Rosa, Presidente da ABPD).

Governos de países importantes no cenário mundial começam a entender que Provedores de Acesso de Internet devem ter obrigação e responsabilidade na proteção da música e outros conteúdos na Internet. Ações urgentes são necessárias para traduzir isto em realidade, diz o novo relatório da industria fonográfica internacional.

A oferta de música protegida por Direito Autoral nas redes dos Provedores de Serviços de Internet, não autorizada e conseqüentemente sem qualquer remuneração aos seus respectivos titulares, emperra o desenvolvimento do negócio com música digital, e compromete o investimento em artistas, apesar do  crescimento das vendas digitais em 2007 de 40% sobre o ano anterior.

A cooperação entre Produtores de música e  Provedores de Acesso à Internet, é a forma mais eficiente de controle e redução dos atuais níveis de violação dos Direitos Autorais. Estimativas de empresas que monitoram a Internet demonstram que mais de 80% do tráfego mundial nas redes dos provedores, é constituído de distribuição ilegal de arquivos protegidos.

O Digital Music Report 2008 do IFPI destaca o plano do presidente da França Nicolas Sarkozy, de cooperação entre titulares de direito sobre músicas e  Provedores de Acesso à Internet no combate à pirataria “on-line” como um exemplo a ser seguido. Iniciativas como esta também encontram-se em estágio avançado na Inglaterra, Suécia e Bélgica. O relatório pede que a União Européia siga o exemplo, o mesmo para países onde as discussões entre a produtores de música e Provedores de Acesso à Internet no que diz respeito ao combate à pirataria “on-line” de música não progrediram ainda satisfatoriamente.

Apresentando o relatório, o Chairman e CEO do IFPI John Kennedy diz: “A mudança de opinião é uma coisa, um programa de ação concreto é outra. Há somente um momento aceitável para os Provedores de Acesso à Internet assumirem sua responsabilidade para a proteção de conteúdo, e este momento é agora. Depois de anos de prevaricação na discussão, a decisão do Governo Francês de enfrentar o problema é profundamente animadora. Isto mostra a urgência no encaminhamento da questão em todos os mercados onde a música está sendo agressivamente desvalorizada pela pirataria.”

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP