RIOSUL NA TRILHA TRANSCARIOCA

0

Há 36 anos na vida dos cariocas, o RIOSUL Shopping Center também se preocupa em participar ativamente de ações que vão além do espaço do empreendimento. Ao longo dos anos medidas internas de reutilização e uso sustentável da água, que evitam o desperdício, como por exemplo, a utilização de torneiras e mictórios com sensores, foram adotadas. O empreendimento desenvolveu uma estação de tratamento da água e, com isso, reduz o consumo do equivalente a 4 mil caixas d’água de mil litros, por mês. O volume tratado corresponde a 15% do consumo do empreendimento, que recebe diariamente 40 mil pessoas. Além disso, o Shopping tem investido cada vez mais em medidas sustentáveis que contribuam também para a melhoria da qualidade de vida das comunidades próximas.  “O engajamento com ações socioambientais são parte da gestão do negócio e põem o empreendimento em sintonia com a sociedade e suas necessidades.”, declarou Fabiana de Luna Rodrigues, gerente de marketing do shopping.

Depois de reflorestar mais de 50 hectares dos Morros do Leme e da Babilônia-São João, o RIOSUL também realizou melhorias na trilha ecológica do local. O Shopping sinalizou todo o percurso da trilha a fim de auxiliar os visitantes e apreciadores deste tipo de atividade no Rio. Em uma iniciativa pioneira, no ano 2014, o empreendimento deu início ao projeto “Trilha Babilônia RIOSUL”. O objetivo do projeto é promover passeios guiados e gratuitos, a fim de que as pessoas conheçam de perto o trabalho de reflorestamento que é desenvolvido no local, além de outras atividades de ecoturismo da região e projetos sociais das comunidades próximas. “O passeio conquista cariocas e turistas a cada nova edição. Em dois anos registramos a participação de mais de 1.500 pessoas. O grande sucesso de público nos levou a ampliar o programa para 10 edições no ano”, afirma Fabiana de Luna Rodrigues.

Durante o passeio, o público ainda pode conferir algumas curiosidades imperdíveis sobre a história e desenvolvimento da região.

O Reflorestamento:

Já foram reflorestados mais de 50 hectares com o plantio de mais de 200 mil mudas. Diversas espécies nativas da flora voltaram a colonizar as áreas espontaneamente como o Pau-brasil, Ipê-amarelo, Aroeira, Ipê-rosa, Embiruçu, Canafístula, Cedro-branco, Angico-branco, Sete-capotes, Paineira, Jatobá, Guapuruvu, Pau-ferro, entre outras 80 espécies de árvores. Dos 50 hectares recuperados, 12 são no Morro da Babilônia; três no Morro do Leme; 11 no Morro do Urubu; no bairro do Leme, e 17 no Morro São João Batista, em Botafogo.

Fauna local:

Na fauna, a recuperação das áreas trouxe de volta espécies que haviam migrado para outros locais, incluindo algumas raras ou ameaçadas de extinção, como a Jacupemba, Tucano-de-bico-preto, Papagaio-curica, Sabiá-preto, Coleirinha, Pichochó, Saíra-sete-cores e Trinca Ferro.

Mirantes imperdíveis:

Diversos pontos atrativos fazem parte do passeio de ecoturismo. São em média 10 paradas, nas quais o público tem a oportunidade de conhecer mirantes com paisagens exuberantes para os bairros de Copacabana, Botafogo, Flamengo, além de montanhas, Cristo Redentor e Pão de Açúcar.

Um século de transformações:

Um dos pontos interessantes durante o percurso é que a comunidade ainda possui uma casa de pau a pique, construída no início do século 20. Com as informações dos guias, é possível entender um pouco mais sobre a formação da comunidade no local, seus avanços e transformações.

História da cidade escrita do alto do morro:

Uma curiosidade, por exemplo, que os guias contam durante a travessia, é que os portugueses usavam estas rotas para transportar água, alimentos, provisões de armas e munições que eram levados em mulas para os pontos onde se concentravam as tropas. Além disso, os índios nativos da região já utilizavam essas trilhas para locomoção entre o litoral e o interior da cidade antes mesmo da chegada dos portugueses ao Brasil.

A comunidade:

O passeio começa pela comunidade da Babilônia e depois entra na Área de Proteção Ambiental (APA) da região. Ainda na comunidade, o público vai poder conhecer um pouco da história local, através dos relatos feitos pelos guias, que também são moradores antigos. Um dos pontos que faz parte do percurso é a primeira creche da comunidade, entre outros.

Origem da Babilônia:

Sobre a origem de seu nome, supõem-se que a Babilônia teria sido batizada em função da riqueza da flora local, tal como os jardins suspensos da Babilônia. A região abrigou a família do paisagista Roberto Burle Marx e dizem que muitas das espécies vegetais de seus jardins foram coletadas no terreno de sua antiga chácara.

Rota estratégica durante a Segunda Guerra:

Existem na trilha casamatas construídas na época da Segunda Guerra Mundial, que eram usadas para observar a aproximação de navios na costa. Além disso, no alto do morro, existem ruínas de um telégrafo semafórico datada do século 19, que fez parte da primeira Rede de Sistema Telegráfico do Brasil. A sua principal utilização era o aviso da chegada de navios e a comunicação deles com os portos. Durante a Segunda Guerra Mundial, o Morro dos Telégrafos foi considerado área de segurança nacional, devido à posição estratégica e visão privilegiada da Baía de Guanabara.

Transcarioca:

A comunidade da Babilônia faz parte da Trilha Transcarioca que atravessa a Cidade do Rio de Janeiro de oeste a leste, conectando no trajeto a sete Unidades de Conservação. Há mais de cem pontos de acesso à Trilha Transcarioca. Seu início fica em Barra de Guaratiba e, em seu final, a trilha pode ser acessada pela Pista Claudio Coutinho, no bairro da Urca.

Cenário de filme:

Em 1959, um dos mirantes da trilha serviu de cenário para o filme franco-brasileiro “Orfeu do Carnaval”, que veio a ganhar a Palma de Ouro do Festival de Cannes no mesmo ano e o oscar de melhor filme estrangeiro no ano seguinte.

Inscrições para o passeio

A cada passeio, são abertas 60 vagas. O Shopping também oferece ao participante um serviço que inclui lanche e translado de ida até o início da trilha e volta ao ponto de encontro. Confira as próximas datas da Trilha Babilônia RIOSUL: 17 de Julho; 13 de Agosto; 24 de Setembro e 15 de Outubro. As inscrições abrem sempre na segunda-feira anterior à data da trilha. Para participar, basta entrar no site do RIOSUL e preencher a ficha cadastral. http://www.riosul.com.br/shopping_trilhas.php.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.