Se Liga

0

Numa iniciativa inédita, o Santander Cultural e o Oi Futuro realizam o FILE  Festival Internacional de Linguagem Eletrônica 2008, que este ano conectará pela primeira vez duas capitais com mostras simultâneas: uma em Porto Alegre, 20 de fevereiro a 20 de abril, e outra no Rio de Janeiro, 27 de fevereiro a 30 de março. Além dos trabalhos inéditos, as mostras trazem a evolução das produções artísticas no campo das artes eletrônicas e digitais desde 2000.

O FILE é a maior mostra sobre o universo eletrônico-digital da América Latina, uma iniciativa brasileira criada em 2000 e que, pela primeira vez, ocorre no Sul do País. As mostras somarão 323 obras e instalações de 206 artistas de 30 países. A preocupação com o meio-ambiente, o consumismo e o papel do homem no novo século estão entre os temas explorados pelos artistas, em obras que abrangem webart, netart, vida artificial, hipertexto, animação computadorizada, realidade virtual e software art, além de games, filmes interativos, e-videos e panoramas digitais (fotos 360º).

Conectado à rede das importantes produções mundiais do gênero, o festival tem o objetivo de promover e estimular as expressões estéticas produzidas no cenário da cultura eletrônica e digital. Este ano, o festival apresenta o projeto “Se Liga”: um convite para que os públicos se conectem à Internet, ao mundo virtual, às cidades onde as mostras ocorrem, às novas formas de arte, enfim, à tecnologia do século XXI. Esta edição traz trabalhos de artistas da Bélgica, Venezuela, Argentina, França, Estados Unidos, Áustria, Reino Unido, Itália, Canadá, Eslováquia, Turquia, Alemanha, República Tcheca, Espanha, Portugal, Austrália, Dinamarca, México, Estônia, Coréia do Sul, além de mais de duas dezenas de artistas brasileiros.

Liliana Magalhães, superintendente do Santander Cultural, destaca a importância e a necessidade do Brasil se inserir no contexto mundial das novas mídias e tecnologias incluídas na produção artística contemporânea, daí a iniciativa de realizar o FILE 2008 pela primeira vez em Porto Alegre para iniciar a temporada de artes visuais e em sintonia com o Rio. 

“Desde a abertura do Santander Cultural, em 2001, promovemos mostras que refletem as tendências da arte no mundo virtual. Realizamos projetos relevantes como a mostra internacional Hiper Relações Eletrodigitais em parceria com o Instituto Sérgio Motta, em 2004, e outros que hoje estão em franca expansão, como o Telecentro, um centro de inclusão digital instalado no Santander Cultural, em parceria com a Prefeitura de Porto Alegre. Este ano, com a parceria com o FILE e o Oi Futuro, ampliamos esse debate, levando simultaneamente aos públicos de Porto Alegre e do Rio”, relata Liliana.

 

Destaques do FILE 2008

Entre as obras que serão apresentadas no festival, destacam-se trabalhos inéditos e os que serão apresentados simultaneamente em Porto Alegre e no Rio de Janeiro, “ligados” pela Internet.

 

Instalações apresentadas simultaneamente em Porto Alegre e no Rio de Janeiro

 

·       Cícero Silva e Marcos Khoriati (Brasil) – O projeto “GPSarte” propõe transformar as representações das cidades por meio da intervenção criativa dos visitantes da mostra nos mapas digitais (do Google Maps) de Porto Alegre e do Rio de Janeiro. O visitante instala em seu celular o software especial desenvolvido pelos artistas, que captura o sinal de até 12 satélites ao mesmo tempo e rastreia a posição da pessoa. Cada passo gera um traço no mapa da cidade. Portanto, seu trajeto formará imagens sobre os mapas, transformando o visitante num “artista digital”. As imagens ou rotas criadas poderão ser pintadas pelos próprios visitantes no computador, por meio de cadastro no site dos artistas, e poderão ser exibidas nas mostras das duas cidades.

            Cícero Silva é professor e pesquisador de mídias e arte digital. Fundou, junto com Marcos Khoriati, o site GPSface. Atualmente é pesquisador no Center for Research in Computing and the Arts na Universidade da Califórnia em San Diego (CRCA/UCSD) na área de mobilidade e interatividade.  É mestre e doutor em Comunicação e Semiótica e foi Visiting Scholar na UCSD (2007) e na Brown University (2005). Marcos Khoriati é analista de sistemas e pesquisador na área de TI. Atua na área de tecnologia há mais de 15 anos. Já desenvolveu sistemas interativos para celulares para empresas como a Nokia, entre outras.

 

·       Ernesto Klar (EUA/Venezuela) – “Convergenze Parallele” é uma instalação audiovisual em que o visitante pode espalhar partículas de pó num feixe de luz. As partículas são localizadas, visualizadas e sonorizadas em tempo real por um sistema de software customizado. Essa instalação de Klar reage a movimentos no ar no espaço expositivo, permitindo ao espectador ver e “ouvir o movimento” ampliado das partículas de pó. A sonorização varia de acordo com a trajetória das partículas no feixe de luz. Ernesto Klar é um artista de mídia e som baseado em Nova York e leciona na Parsons The New School For Design. Seus trabalhos foram apresentados em Eyebeam, Chelsea Art Museum, BAP Lab Festival em Nova York, ICA em Boston, e CCCB em Barcelona, entre outros locais.

 

·       Leonardo Solaas (Argentina) “Dreamlines” é uma experiência visual não-linear e interativa. Num terminal de computador, o usuário digita uma ou mais palavras que definem um sonho que ele gostaria de sonhar. O sistema procura na Internet imagens relacionadas e gera uma pintura onírica, que muda constantemente. Os elementos se fundem na tela num processo análogo à memória e à livre associação. Leonardo Solaas estudou filosofia, foi artesão e é autodidata em tudo relacionado à programação, mídia arte e tecnologia. Vive em Buenos Aires e já foi agraciado com o prêmio mais significante em artes de novas mídias da Argentina, o Premio do Museo de Arte Moderno – Fundación Telefónica.


Ÿ Márcio Ambrósio (Brasil “OUPS!” nasceu da vontade do artista de misturar novas tecnologias e animação clássica em uma forma lúdica e artística. Cada seqüência animada tem um roteiro, mas o visitante pode interagir e se transformar em um ator da história. Basta ele entrar num local definido da instalação para se ver integrado num cenário de animações que seguem seus movimentos. Ele se encontra imerso em um universo criativo de imagens e sons. O brasileiro formado em Design Industrial atuou em várias áreas antes de se dedicar à arte. Foi publicitário, grafista e já assinou a produção e pós-produção de animações, que concorreram em festivais. Mas foi em 1999 que Ambrósio aprofundou seus conhecimentos em animação, participando de workshops em Bruxelas, na Bélgica. Desde 2004, ele trabalha no coletivo zzzmutations, onde produz curtas-metragens de animação e desenvolve projetos experimentais.

 

Ÿ Rafael Beznos (Brasil) “Dreamloading” é uma instalação que utiliza a tecnologia do touch screen (toque na tela), aliada à programação de vídeos e animações integradas ao som. Ao tocar na tela, os movimentos dos visitantes se transformam em desenhos. Segundo o artista, o resultado é uma videocenografia que completa as imagens projetadas como plano de fundo.

 

 

Obras inéditas do FILE POA

            Além da obra de Cícero Silva e Marcos Khoriati, a instalação Jump! de Yacine Sebti é apresentada pela primeira vez no País.

 

·       Yacine Sebti (Bélgica) – “Jump!” é uma instalação que convida o visitante a estabelecer um diálogo com sua própria imagem, de uma forma lúdica. Para participar, ele deve seguir algumas regras do jogo. A primeira é “Pule para ser gravado”. Ao entrar na instalação, o visitante encontra sua imagem espelhada sobre a imagem de uma multidão de pessoas que pulam todas juntas. A partir daí, ele poderá interferir nesta imagem: enquanto pula, ele lentamente desloca os pulos dos visitantes anteriores. Além desse aspecto lúdico, este trabalho oferece ao visitante uma criação visual do espaço: o seu corpo se torna o pincel da tela animada. Yacine é artista programador premiado e realiza vídeos instalações interativos desde 2003. Também participa de projetos de dança, teatro e música com suas obras.

 

 

Outros destaques do FILE POA

·       Andrew Hieronymi (EUA) “MOVE” é uma instalação que usa visão computadorizada e interação do corpo. Os participantes experimentam seis tipos diferentes de ações: Pule, Evite, Persiga, Arremesse, Esconda-se e Pegue, numa interação com imagens de formas geométricas como círculos e retângulos. Cada um dos seis módulos oferecem uma interação individual ao visitante, que corresponde às ações comuns feitas por avatares em games. O trabalho recente de Hieronymi se concentra nos limites entre jogos e arte em ambientes físicos. Mestre em Design/Artes de Mídia pela University of Califórnia, Los Angeles R11; UCLA, sua criação foi exibida em Future Play (Michigan), Microwavefest (Hong Kong), Media_city (Coréia), Chiangmai (Tailândia) e CTheory (Nova York), além de edição anterior do FILE (Brasil).

 

·       Rejane Cantoni e Leonardo Crescenti (Brasil) – “Piso”, também apelidada de “Onda”, é a maior instalação da mostra de Porto Alegre. Com 25 metros de comprimento, é formada por um piso metálico que se desloca quando alguém pisa em uma de suas extremidades. Portanto, a instalação tem também uma interface interativa, desenhada para transferir dados de força e de movimento na relação humano-humano e na relação humano-espaço-tempo. Os visitantes podem sentar, deitar ou surfar na “onda” dos artistas brasileiros. Vale destacar que no FILE POA, a obra ficará exposta até 19 de março. Uma nova instalação, a “File Screening”, com obras audiovisuais produzidas digitalmente, a substituirá na segunda fase.

Rejane Cantoni é artista e pesquisadora de sistemas de informação, mestre e doutora de Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica R11; PUC de São Paulo, mestre em Visualização e Comunicação Infográficas pela Universidade de Genebra e pós-doutora do Departamento de Cinema, Rádio e Televisão pela Universidade de São Paulo – USP. Leonardo Crescenti é artista e arquiteto pela USP. Investiga e desenvolve projetos em várias mídias e suportes, além de atuar como fotógrafo e diretor de fotografia, com prêmios importantes nesta área, incluindo do Festival de Cannes.

 

FILE Symposium

            Como parte das atividades paralelas do FILE POA, o Santander Cultural realiza o FILE Symposium, um ciclo de palestras e debates nos dias 20 e 21 de fevereiro, às 19 horas. A cada dia, o encontro reunirá três artistas que falarão sobre suas obras e pesquisas e debaterão com o público sobre arte digital.

Os brasileiros Christus Nóbrega e Márcio Ambrósio e o belga Yacine Sebti falam no primeiro dia, mediados por Diana Domingues, pesquisadora da Universidade Federal de Caxias do Sul – UFCS. No segundo dia, o artista gaúcho Leandro Selister coordena o debate com Rafael Beznos, do Brasil, Leonardo Solaas, da Argentina e Ernesto Klar, dos Estados Unidos.

 

Obras inéditas no Rio de Janeiro

     

·       Jed Berk (EUA) – Na instalação “Transitional Species” o artista levanta discussões sobre a preservação do meio-ambiente. Com ajuda de um terminal computadorizado, o visitante pode criar novas espécies de animais, misturando diversas imagens de arquivo. As imagens são projetadas em um habitat novo, criado especialmente para que esses animais vivam em harmonia.

 

·       Loodik (Brasil) – Loodik é, na verdade, o nome de um estúdio de criação formado pelos paulistanos André Perrotta, Erico Cheung e Luis Stateri. Na instalação “Time-Flower”, eles brincam com a necessidade humana de transformar seu ambiente. Enquanto uma flor desabrocha em uma imagem que está sendo projetada, o visitante pode interferir no processo e, apenas com o movimento de suas mãos no ar, pode arrancar pétalas e transformar totalmente a planta.

 

Outros destaques do FILE RIO

 

·       Julie Freeman (Reino Unido) – “The Lake”, uma obra pioneira de arte digital foi instalada na Tingrith Fishery no verão de 2005. A obra usa hidrofones, software customizado e tecnologia avançada para acompanhar peixes com etiquetas eletrônicas no Fringe Lake circular, e traduz seus movimentos numa experiência audiovisual em tempo real. Os visitantes poderão perceber o comportamento dos peixes através de sons e imagens.

 

·       Alexa Wright (Reino Unido) – “Alter EgoR” é uma instalação baseada numa tela onde o usuário interage com o que parece ser a sua própria imagem no espelho, mas é, na realidade, um avatar (um boneco virtual) que adquire as características faciais do usuário e que assume as caretas que o visitante faz.  Alexa é uma artista que trabalha com fotografia e mídias digitais interativas, sendo também colaboradora do cientista Alf Linney em instalações que apresentam a convergência entre o “real” e o “virtual”.

 
SERVIÇO

 

FILE POAFestival Internacional de Linguagem Eletrônica

Local: Santander Cultural, Rua Sete de Setembro, 1028

ABERTURA PARA CONVIDADOS: 19 de fevereiro, às 19h30

Data: de 20 de fevereiro a 20 de abril de 2008

Horário: Segunda à sexta-feira das 10h00 às 19h00
               Sábados, domingos e feriados das 11h00 às 19h00

Entrada franca

Agendamento de Visitas
Tel.: (51) 3287-5940, de segunda a sexta-feira, das 10h00 às 16h00

 

FILE RIOFestival Internacional de Linguagem Eletrônica

Local: Oi Futuro – Rua Dois de Dezembro, 63 – Flamengo

ABERTURA PARA CONVIDADOS: 26 de fevereiro, às 19h30

Data: de 27 de fevereiro a 30 de março de 2008

Horário: de terça a domingo das 11h00 às 20h00

Informações: (21) 3131-3060

Entrada franca

 

www.file.org.br

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP