TORONTO 2015: CIRQUE DU SOLEIL DANÇA TRIBOS DA AMÉRICA

0

O canadense Cirque du Soleil encantou o público e os telespectadores de todo o mundo na cerimônia de abertura dos Jogos Pan-americanos Toronto 2015, que antecedem o Para-pan e as Olimpíadas Rio 2016. Com um espetáculo focado nos mínimos detalhes e ao som de eletrizantes e contemporâneas mixagens, mostrou o surgimento dos povos das Américas a partir da origem da vida e das primeiros tribos indígenas da qual somos todos descendentes e que conviviam com as forças da natureza em perfeita harmonia. As mesmas forças da natureza que, em nome do progresso e, muitas vezes, da ganância, são vítimas hoje de sérios desequilíbrios para suprir o horror econômico de uma meritocracia visando lucro e muito mais selvagem que as antigas tribos que nos defenderam de todos os obstáculos para que pudéssemos hoje habitar suas antigas terras.

 

 

POR CARLOS FRANCO

Cirque du Soleil dançou, assim, a vida para abrir espaço para um dos momentos mais emocionantes da cerimônia, projetado em telão e, ao vivo, no próprio estádio que foi a chegada da tocha olímpica conduzida pelo atleta canadense Donovan Bailey que saltou de paraquedas em direção palco. Antes os atletas percorreram as ruas de Toronto, com direito a um salto da CN Tower, cartão postal da cidade com seus 560 metros de altura. A cerimônia que teve uma duração de mais de 3 horas, resultou num vídeo de pouco mais de uma hora, editado pela organização dos Jogos e que você pode conferir aqui e se encantar pela primeira vez ou rever esses momentos de puro encantamento.


Emoção e muita vibração marcaram a cerimônia. Os jogos Toronto 2015 reúnem atletas que sonham com o orgulho olímpico, mas, mais que as competições, onde o corpo e suas capacidades estão à prova, são momentos de união de interesses e construção, reconstrução da unidade dos povos, que se ausenta de cena toda vez que um dos países que integram as Américas é subjugado, julgado e excluído pelo espoliante, dilapidante e vil poder do outro.

Os jogos olímpicos têm contribuído ao longo da história para dar uma resposta quase sempre contundente à falta de respeito pelo outro e a aceitação da diversidade étnica, social, religiosa e sexual. Uma das suas mais belas páginas foi escrita nas Olimpíadas de 1936, em Berlim, quando Adolf Hitler estava no poder e pregava a supremacia da raça ariana. Resultado: nas principais provas de atletismo, o próprio Hitler teve que assistir da tribuna os feitos de James Cleveland Owens (Jesse Owens), o negro nascido no Alabama, Estados Unidos, em 12 de setembro de 1913 e que conquistou nesses Jogos quatro medalhas de ouro nas provas dos 100m, 200m, revezamento 4x100m e salto em distância.

Um constrangido Hitler entregou três das quatro medalhas conquistadas por Jesse Owen, mas os jornais decidiram não publicar esses fotos, construindo uma lenda mentirosa de que Hitler havia se recusado a entregar as medalhas, o que a História provaria o contrário assim, como em vida, o próprio Owens que carregava na carteira a foto do feito e do recebimento da primeira medalha. Da mesma forma, alguns jornais deixaram de registrar o preconceito que o atleta enfrentou dentro do próprio Estados Unidos. Em sua biografia, Jesse Owens afirma que o que o deixava mais magoado não eram as atitudes de Hitler em relação aos negros, mas o fato de o presidente dos EUA, Franklin Delano Roosevelt, não ter sequer se dignado a mandar um telegrama felicitando-o pelas conquistas na Olimpíada de 1936. Tanto pior que na cerimônia de recepção aos vencedores na Casa Branca, em Washington, DC, Jesse Owens tenha sido obrigado a entrar pela porta dos fundos enquanto os atletas brancos, arianos como os classificava Hitler, entraram pela porta da frente. Uma mancha que ficará para sempre na biografia de Roosevelt e do preconceito racial. Mas o fato é que Jesse Owens mostrou ao mundo que a diversidade é parte integrante e importante na formação dos povos e na construção de um respeito que muitas vezes lhe faltou em vida até a morte em 1980.

Recado dado.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP