#WDSD15: CAMINHADOWN EM BRASÍLIA

0

Maria Clara Israel está apaixonada. O amor pelo namorado, Ian Stuckert, de 18 anos, começou há pouco mais de um ano, no carnaval, e é alimentado pelo carinho e pela luta conjunta contra a discriminação e a favor de ações que possibilitem a autonomia do casal e o pleno convívio social. Maria Clara, de 22 anos, e Ian têm síndrome de Down e participaram, com cerca de 300 pessoas da CaminhaDown no Parque Olhos D’água, em Brasília, em comemoração na manhã de ontem ao Dia Internacional da Síndrome de Down.

Luciano Nascimento – Repórter da Agência Brasil 

Maria Clara Machado Israel e Ian Stuckert acreditam e lutam pela autonomia dos portadores da síndrome de Down. Eles pretendem se casar, quando terminarem os estudos.“A gente planeja casar, ter filhos e uma casa”, conta Maria Clara, que diz que o casamento só acontecerá depois que eles terminarem os estudos. Ela acredita que as pessoas ainda precisam aprender a respeitar os portadores da síndrome e relata que já foi discriminada na escola. “Tem que se respeitar a todos. Eu já sofri isso [discriminação] dentro da escola”. Para Maria Clara, o convívio de pessoas com a síndrome em diferentes espaços é fundamental para quebrar preconceito. “A inclusão é muito saudável e é bom para todos aprenderem a se respeitar”, defendeu.

De acordo com, Josenira Santana, mãe de Ian, apesar de a escola ser um espaço fundamental para o desenvolvimento intelectual das pessoas com síndrome de Down, ainda está longe de promover a inclusão. “As pessoas [que trabalham com educação]precisam ser mais capacitadas para promover, de fato a inclusão, também é preciso adaptar o currículo ao ritmo de aprendizagem deles. As pessoas têm que se unir mais para entender essas demandas e o governo precisa dar um atendimento melhor dentro dos serviços públicos”, defendeu.

A síndrome de Down, ou trissomia do cromossomo 21, é uma alteração genética causada por uma falha na divisão celular ainda durante a divisão embrionária. Crianças e jovens portadores da síndrome têm características físicas semelhantes e apresentam desenvolvimento intelectual e de aprendizado mais lento. Se estimuladas desde a infância, podem desenvolver, como qualquer outra pessoa, uma vida autônoma, podendo estudar, trabalhar, casar e ter filhos.

A jornalista Melina Sales dos Santos é uma das organizadoras da CaminhaDown e contou à Agência Brasil que a intenção da caminhada é dar visibilidade ao tema, colocando as demandas das famílias na agenda do poder público. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil possui cerca de 300 mil pessoas com a Síndrome de Down, que pode atingir 1 entre 800 a 1.000 recém-nascidos.

Melina é mãe de Dilah, de 2 anos, que como qualquer criança de sua idade tem como maior preocupação se divertir. “Eu tomei um susto, porque eu só soube [que a filha nasceu com a síndrome]após o nascimento. Passado o susto inicial a gente foi pesquisar e viu que não é uma tragédia. As pessoas com síndrome de Down podem ter uma vida autônoma e independente. Essa é a nossa luta para que [a autonomia]possa acontecer com a minha filha e com todos” disse à Agência Brasil.

Na opinião de Melina, faltam investimentos em programas de educação e saúde. Como têm necessidades específicas, crianças com síndrome de Down precisam de assistência profissional multidisciplinar e atenção permanente dos pais. “A pessoa precisa de estímulos para ter o desenvolvimento próximo de uma pessoa típica. Ela precisa de fonoaudiologia, fisioterapia, terapia ocupacional e isso é extremamente necessário para que, no futuro, se torne uma pessoa autônoma e independente”, afirmou.

A jornalista também defende que os pais de crianças com a síndrome tenham preferência em matrícula seus filhos em creches e escolas próximos de casa. “Se ela tiver preferência para se matricular próximo de casa, vai ser extremamente positivo porque ela [a criança]já está o tempo todo rodando de um lado para outro indo à fisioterapia, ao fonoaudiólogo, a médicos. Isso ajuda pais e crianças a terem um maior convívio em sua comunidade”.

Outro ponto defendido é a ampliação da licença maternidade para as mães que trabalham no setor privado, de quatro para seis meses. “Seria ideal, pois é uma fase em que a criança está desenvolvendo a musculatura da face, a sucção e de repente isso é interrompido bruscamente com o final da licença”, afirmou.

Letícia Moreira, mãe da pequena Sofia de oito meses acredita que a inclusão das pessoas com a síndrome está melhor do que era antigamente. “A gente já vê pessoas com síndrome de Down trabalhando e na universidade e eu espero que daqui pra frente só melhore”, afirmou.

Mesmo Sofia sendo ainda um bebê, Letícia já traça planos para o futuro de sua primeira filha. “Ela já está na escola pública, na estimulação precoce, porque isso é superimportante. A gente sabe que quanto mais estimular melhor será o seu desenvolvimento”, diz. Para Letícia, com amor e respeito não há limites para a pequena Sofia: “Eu gostaria que ela soubesse que ela pode fazer tudo o que ela quiser que não há nada que a impeça, que ela é como qualquer criança”, revelou.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP