A HIGIENE ÍNTIMA E OS SEUS TABUS

0

O IBOPE Inteligência realizou uma pesquisa, a pedido de Carefree, marca de protetores diários de calcinha da Johnson & Johnson, para desvendar como as mulheres lidam com as questões de higiene íntima. O levantamento, feito com mais de 1.050 mulheres de 142 municípios brasileiros, com idade acima de 16 anos, revela que, apesar de 75% das entrevistadas concordarem que o cuidado com a área íntima também faz parte de estar bem consigo mesma, a conversa sobre questões relacionadas à higiene íntima é tratada com desconforto entre elas: 50% concordam que falar sobre corrimento e umidade ainda é tabu para a maioria das pessoas.

Com relação aos desconfortos relacionados à higiene da área íntima, a pesquisa identifica que 38% das mulheres participantes desse estudo concordam que sentem maior transpiração da região quando têm um dia cheio de atividades e 40% maior desconforto em dias mais quentes. Além disso, 31% das entrevistadas informam sentirem-se muito incomodadas com a umidade na calcinha em alguns dias do mês.

“Na região da virilha, por exemplo, assim como nas axilas, existem glândulas produtoras de suor. O acúmulo de secreção vaginal do dia, junto com odores e a umidade causados pela transpiração, ambos processos naturais e saudáveis do corpo, podem vir a gerar desconforto na mulher. O que percebo é que, para muitas mulheres, falar sobre a própria região íntima ainda é um tabu”, revela a Dra. Carolina Ambrogini, ginecologista, obstetra e sexóloga.

Para solucionar os desconfortos relacionados à umidade natural da região íntima, 36% das entrevistadas afirmaram que levam uma calcinha extra na bolsa diariamente, assim podem trocá-la e se sentirem mais limpas e confortáveis, mais da metade (52%) concorda que já tomou um segundo banho no mesmo dia para sentir a região íntima mais limpa e 40% concordam que a troca do protetor diário oferece a mesma sensação de uma troca de calcinha.

“Quanto mais a mulher conhece o seu corpo, mais bem-estar ela encontra, além de poder saber quando algo está errado. É comum que as mulheres sintam um desconforto maior com a umidade em alguns períodos do mês, como, por exemplo, logo após a menstruação ou durante a ovulação. Quando isso afeta o seu dia a dia, ela pode buscar soluções seguras para ter mais conforto”, afirma a ginecologista.

Sobre a pesquisa

A pesquisa foi realizada entre os dias 14 e 18 de abril de 2016, com 1050 mulheres que têm mais de 16 anos em 142 municípios do Brasil. Os números divulgados referem-se apenas às mulheres que deram notas 9 e 10 em uma escala de concordância com frases apresentadas pela pesquisa.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.