SHOPPER REVELA PERFIS DOS “INVESTIDORES DO BEM”

0

Conduzida de forma voluntária pela equipe da Shopper Experience para a AACD, a pesquisa “Investidores do Bem” partiu do desafio de identificar perfis de doadores brasileiros, a relação que mantêm com causas e instituições filantrópicas e os drives que motivam o engajamento – em especial, financeiro. Em sua terceira edição, a pesquisa traz informações que ajudam a traçar o retrato dos doadores no Brasil. 

Os principais doadores de instituições filantrópicas creditam a prática ao autocrescimento, associando o ato de doar a uma oportunidade para se tornarem pessoas melhores. Mais do que isso, a doação faz com que a vida tenha mais sentido, pois estão ajudando quem precisa. Há, ainda, brasileiros que doam por gratidão, devoção, engajamento, cooperação, conexão com valores passados de geração para geração ou por ser uma decisão racional. Essa é uma das conclusões da pesquisa “Investidores do Bem”, conduzida de forma voluntária pela Shopper Experience para a Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD). A pesquisa revela, ainda, quais são as causas preferidas dos doadores brasileiros; valor médio e frequência de doação; associações e entidades preferidas; e sugestões para ampliar o número de doadores no país.

Identificar a relação dos doadores (permanentes e ocasionais) – e não doadores da AACD e demais instituições filantrópicas do Brasil; os drives que motivam as doações; e entender o quanto a comunicação influencia a decisão de doar para instituições foram alguns dos objetivos da terceira edição da pesquisa coordenada por Stella Kochen Susskind, presidente da Shopper Experience. Durante o primeiro semestre de 2015, a empresa conduziu entrevistas qualitativas em profundidade com mais de 330 pessoas: homens e mulheres de 18 anos a mais de 55 anos com idade média de 44 anos.

Segundo Stella Kochen Susskind, uma das inspirações para a pesquisa foi o World Giving Index – um levantamento da Charities Aid Foundation, que traz uma visão global sobre o ato de doar, sobre a generosidade. A edição de 2014 aponta que mesmo em países que enfrentam turbulências econômicas, a generosidade tem crescido. O Brasil, de acordo com o levantamento internacional, aparece em 90ª posição no ranking que envolve 135 países.

“Elaboramos uma pesquisa mais focada na doação em dinheiro, mas seguimos o espírito do Giving Index no que diz respeito a entender a motivação das pessoas; investigar esse gatilho que leva à doação. E, podemos afirmar com certeza, que há espaço para ampliar o engajamento entre brasileiros de diferentes perfis, mas que em comum têm o interesse em colaborar com causas em prol das crianças”, afirma a executiva, que há anos colabora com a AACD.

“A AACD, notadamente em 65 anos de existência – uma Instituição independente, sem fins lucrativos e mantida, exclusivamente pela sociedade em geral, pessoa física e jurídica – precisava entender a atual percepção e reconhecimento da população em relação à sua marca, serviços e programas sociais, entre outros. Graças à disposição da Shopper Experience em colaborar com a organização, uma vez mais, elaborou pro bono o rico trabalho que mapeia claramente o posicionamento da AACD, assim como diversas outras instituições e o próprio relacionamento do segmento entrevistado com a área da responsabilidade social em geral”, afirma Angelo Frazão, superintendente de Marketing e Captação de Recursos.

PRINCIPAIS CONCLUSÕES DA PESQUISA  

A pesquisa identificou segmentos de doadores.

–       Autocrescimento, 43%: fazem doações porque acreditam que essa atitude irá ajudá-los a se tornarem uma pessoa melhor; a doação faz com que a vida tenha mais sentido por saberem que estão ajudando muitas pessoas.

–       Grata, 22%: pessoas que gostam de fazer doações, pois procuram devolver à sociedade sucessos e vitórias.

–       Devota, 14%: bastante devotos a Deus, esses doadores gostam de ajudar as pessoas com mais necessidades do que eles.

–       Cooperativa, 11%: pessoas que gostam de ter o compromisso de ajudar a comunidade.

–       Tradicional, 6%: para esse segmento, fazer doações é uma atitude tradicional da família; um hábito que passa de geração para geração.

–       Engajada, 3%: as pessoas desse segmento são engajadas socialmente, têm legitimidade e visibilidade na comunidade e, por isso, gostam de ajudar; dessa forma, servem como modelo para outras pessoas.

–       Racional, 2%: além de se sentirem bem com a doação, esses doadores acreditam que os benefícios fiscais são bons incentivos.

 

A pesquisa confirma que causas envolvendo crianças tendem a ter maior apelo para doadores. Entre os entrevistados, além de doadores da AACD, 68% doam para a ABRINQ; 39% para ActionAid Brasil; 21% para a APAE; 13% para o GRAAC; 7% para o Instituto Ayrton Senna; 5% para os Médicos sem Fronteiras; e 32% doam para outras instituições.

Ao responder “como chegou até as instituições que colabora?”, entre os doadores da AACD, 52% dos entrevistados creditam a anúncios e mídia o motivo de conhecer e colaborar; 17% por meio de site; 16% por canais diversos; e 15% por meio de amigos e parentes. Na análise de indicação de parentes e amigos, o maior índice é de 39% – respectivamente referente a doadores da ActionAid Brasil, seguido de APAE (38%), GRAAC (37%), Instituto Ayrton Senna (20%) e Médicos sem Fronteiras (25%).

A comunicação feita para mobilizar a população para a causa da AACD tem surtido efeito – 52% doam por terem visto anúncios na mídia –, mas há um grande  desafio de potencializar o envolvimento da população.

Sobre a frequência das doações e os valores…

–       AACD: 83% doam mensalmente; o valor médio é de R$ 37,8.

–       ABRINQ: 76% doam mensalmente; o valor médio é de R$ 44,1.

–       ActionAid Brasil: 68% doam mensalmente; valor médio é de R$ 44,6

–       APAE: 41% doam mensalmente; valor médio é de R$ 42,3.

–       GRAAC: 84% doam mensalmente; valor médio é de R$ 44,1.

–       Instituto Ayrton Senna; 100% doam mensalmente; valor médio é de R$ 52,1.

–       Médicos sem Fronteiras: 100% doam mensalmente; valor médio é de R$ 57,6.

– As percepções sobre as causam que mais mobilizam – os drives motivadores de doação – mostram que 67% são motivados pelo combate à violência; 64% causas envolvendo idosos carentes abandonados; e 49% crianças carentes. Entre as outras causas: crianças com deficiência (18%); crianças com câncer (14%); combate à fome (34%); crianças precisando estudar/educação infantil (25%); e carentes portadores do vírus HIV (43%).

Na opinião de 81% dos doadores, uma forma de estimular a prática entre a população seria mostrar o trabalho, a seriedade e a credibilidade da organização filantrópica; para 72% os resultados alcançados pelo trabalho da organização são a melhor forma de estímulo. Uma prática relevante para 45% é estimular a visitação às instituições. Programas como o Teletom e o Criança Esperança aparecem como essenciais motivadores para 39% dos entrevistados.

– Quando o tema é “estimular as empresas a contribuir”, 68% e 67% acreditam que mostrar o trabalho e mostrar os resultados alcançados, respectivamente, são as melhores práticas de estimulação.  As visitas e eventos são, na opinião de 43% (cada), boas alternativas. Interessante notar que a divulgação nas redes sociais e por e-mail é mais eficaz – na opinião de 28%.

As informações sobre os benefícios fiscais estão lentamente entrando no repertório da população, mas ainda persistem dúvidas sobre o tema. Na questão “o quanto estaria disposto a contribuir com alguma instituição, doando parte do Imposto de Renda?”, 25% revelam que estariam dispostos; 20% extremamente dispostos; 13% nada dispostos; e 29% não souberam responder. Na questão “sabe que pode doar parte do Imposto de Renda aos trabalhos das instituições?”, 68% responderam sim; 22% não sabiam; e 10% não se lembravam da possibilidade.

Sobre as melhores formas de contribuir, 54% apontaram o boleto em casa para pagamento no banco ou pela internet; 19% preferem o débito automático; 18% via internet (boleto online); e 9% via internet (cartão de crédito).

 

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP