O BRASIL NA ERA DO OPEN BANKING

0

Por Felipe Almeida*

No já longínquo ano de 2015, o Gartner dizia que, em 2016, 75% dos 50 principais bancos globais (por ativos) teriam lançado uma plataforma API, e 25% abririam uma loja de aplicativos voltados para o cliente. Chegamos ao fim do ano da profecia e, se esses números já não se concretizaram, ao que tudo indica, os avanços neste campo estão a todo vapor.

Mas por que longínquo quando estamos há pouco mais de um ano depois dessa previsão? Porque neste cenário o que temos vistos são pequenas revoluções a cada instante: o que talvez fosse uma possibilidade em 2015, hoje já é uma realidade se levarmos em consideração a estimativa feita pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), a qual aponta que no Brasil os bancos investem cerca de R$ 20 bilhões por ano em tecnologia.

A ideia de colocar os bancos na era digital está tomando cada vez mais força no mercado brasileiro e as instituições financeiras estão correndo para, de fato, oferecerem a tão sonhada integração que tanto tem se falado com o surgimento do Open Banking. Mas o que realmente é esse novo conceito? A ideia base é permitir que terceiros possam desenvolver aplicações em torno das instituições financeiras, que por sua vez, abrem suas APIs (ApplicationProgramming Interface) – conjunto de padrões de programação que permite a construção de aplicativos.

Traduzindo os bites e bytes, uma API nada mais é que uma interface que roda por trás de tudo, ou seja, enquanto o usuário utiliza um aplicativo ou site, a sua API pode ou não estar conectada a diversos outros sistemas e aplicativos. No universo bancário, esta é a possibilidade de empresas externas passarem a construir aplicativos que interajam com os dados do banco, até mesmo realizarem transações financeiras.

Esse contexto já é uma realidade que começa a conquistar o brasileiro. Se hoje sabemos que muitas pessoas já não vão mais às agências bancárias para pagar uma conta, pois fazem isso via web, a possibilidade de existirem aplicativos requisitando permissão para acessar a conta do usuário para que ele possa realizar transações descomplicadas e com segurança é a grande menina dos olhos do momento. É claro que o banco deve contar com a permissão do cliente e limitar cada operação a um determinado escopo bem específico.

Com a mudança dos padrões do consumidor para o mobile first, buscando uma experiência personalizada e inovação dos serviços, a adesão ao open banking possibilita o crescimento de serviços financeiros inovadores e a geração de riqueza para as partes envolvidas. Esse movimento permite que as Fintechs, por exemplo, possam focar na experiência de uso do cliente e não em construir um backend com serviços financeiros semelhantes ao de um banco. Com isso, o consumidor passa a usar os serviços do core business do banco, mas com o diferencial de uma experiência customer centric que deseja.

Aqui no Brasil, por mais que já existam (poucos) bancos nesta nova realidade, o mercado ainda enfrenta certa resistência de grandes instituições financeiras. A partir do momento em que elas abrirem suas APIs para o mundo, outras empresas se relacionarão com os seus clientes, fazendo com que o banco, como instituição que conhecemos, deixará de ser o protagonista da história, cedendo este papel para os mais diversos parceiros que esta abertura possibilitará ele a ter.

Embora o Brasil faça fortes investimentos em tecnologia bancária, ainda sofremos com a insegurança de realizar certas operações no meio virtual. Por isso, para um banco abrir suas aplicações é necessária uma plataforma de APIs robusta, que contenha uma série de regras e controle de acesso, para que seus parceiros tenham bem claro quais serviços eles podem acessar.

Mesmo diante de certa resistência, o Brasil sempre esteve à frente de outros países no quesito tecnologia e inovação bancária e com o movimento de Open Banking não será diferente. Mas, para isso, as nossas instituições devem ter a consciência que esta abertura só trará benefícios aos negócios, já que o banco passará a ser visto como um provedor dessas novas facilidades, deixando a cargo dos parceiros o relacionamento com o cliente.

O Open Banking é um caminho sem volta. Já é fato que o surgimento de aplicativos próprios ou de terceiros baseados nas APIs bancárias é uma realidade que veio para ficar tendo em vista que a previsão para 2017 é que mais de 60% das instituições já estarão abertas a receber esses novos serviços. Agora, basta apenas saber o quão próxima esta realidade estará ao alcance de todos os brasileiros.

* Felipe Almeida é co-fundador e CMO da Zup, além de coautor do livro Jovens Empreendedores – Líderes do Brasil que dá certo (Editora Leader, 2016)

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP