STELLA ARTOIS, UMA BELA HISTÓRIA

0

Curiosidades sobre a publicidade: Em 1926, os mestres cervejeiros da cidade belga de Leuven decidiram criar uma edição especial para o Natal, a Stella (estrela em latim) da cervejaria Artois.

Mais clara e leve, a bebida fez tanto sucesso que Stella Artois nunca mais saiu de cena. É hoje uma das cervejas mais consumidas do mundo e o principal produto da cervejaria que abriu as portas em 1366, com o nome de Den Hoorn e que foi comprada, em 1717, pelo mestre cervejeiro Sebastian Artois, ganhando o seu sobrenome, desde então como identidade e marca.

A cerveja se tornou tão séria na região que a primeira universidade de Leuven, fundada em 1425, passou a estudar o produto, melhorando as técnicas de produção e analisando os componentes ideais para manter o sabor e o frescor ao longo do tempo.
Stella Artois deixou de ser apenas a cerveja natalina para ser a boa cerveja belga, conquistando paladares em toda a Europa.

Stella Artois, desde então, brilha nas competições de bebidas de todo o mundo e espalha um ritual que tem tudo a ver com sofisticação a começar pela taça que recebe o chope considerado um dos melhores da Europa. A base em estilo Luis XV tem em alto relevo uma rosa e uma adaga, símbolos que remetem às origens da cervejaria na época medieval. O dourado da borda é o toque final da taça produzida na Bélgica para manter a tradição. Stella Artois, hoje uma das marcas da InBev, dona da AmBev, desembarcou no Brasil em 2005 e também tem conquistado apreciadores.

Estrela reluzente do mundo das cervejas, Stella Artois tem lançado também inovações no mercado, por meio da redução do álcool e do lançamento de cervejas flavorizadas, como por exemplo os cítricos, com os quais conquistou londrinos. Mas os consumidores tradicionais preferem a boa e velha Stella Artois do Natal de 1926, cuja estrela continua brilhando. Para garantir, a chamada fórmula perfeita, a cervejaria continua a usar oito litros de água tratada para cada litro de Stella Artois, além do lúpulo tcheco Saazner, o mais caro do mercado, e a levedura belga, fruto de intensas pesquisas.

Compartilhar.

Sobre o autor

Carlos Franco

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP