BURBERRY PASSEIA PELO MUNDO DE ORLANDO, DE VIRGINIA WOOLF

0

O que difere as marcas do mercado de luxo das demais é que estas têm um compromisso com a história e sempre buscam, no conteúdo, a arma secreta de suas coleções, aquele algo mais que inspira e que faz pensar, permanecer. É voltando às coisas mesmas, o fenômeno como o classifica a corrente filosófica da fenomenologia, que agrega nomes como os de Husserl, Merleau-Ponty, Kierkegaard, Heidegger e Jean-Paul Sartre, que se pode experimentar novamente o fenômeno e, assim, fazer uma leitura nova do sensível. É o que se propõe Burberry na coleção lançada este mês ao revisitar a importante obra literária Orlando, de Virginia Woolf. Neste livro, apresentado pela escritora em 1928, ela narra a vida de Orlando, nascido no seio de uma família nobre e rica da Inglaterra que acorda mulher numa viagem a Turquia, vivendo as ambiguidades de gênero e atravessando 350 anos da história britânica.

Voltando às coisas mesmas, num exercício fenomenológico, Burberry traz na bagagem tecidos, hábitos e os recoloca em cena na modernidade, nestes tristes e sombrios dias, sobretudo para os brasileiros, do ano de 2016. E Orlando revive em sua viagem interior e exterior, sem distinção de gênero, na completude de uma vida plena.

Burberry pelas mãos talentosas de  Mario Testino nos leva a passear pela galeria de escultura Walker Art Gallery, em Liverpool, onde as silhuetas do mundo de Virginia Woolf agora emolduram a nova coleção, fruto do trabalho de artesãos que dão vida à coleção e que também estão em cena, em retratos.

Uma grife de luxo sabe que é preciso ter conteúdo para se diferenciar e Burberry o faz com delicadeza, chá e filosofia. Uma experiência que desperta os sentidos e que ressalta o valor do conhecimento para o mundo dos negócios, caso contrário Burberry seria apenas mais uma boutique, ainda que muitos dos seus consumidores desconheçam a forma com que o talento emerge, usam por usar, mas não passeiam como Burberry pelos jardins da filosofia conduzidos pelas talentosas mãos de Virginia Woolf. Uma pena.

A coleção completa pode ser conferida aqui 

 

 

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP