Lançamento marca a estréia da distribuidora Raiz Filmes

0

O Homem que Virou Suco, clássico do cinema brasileiro, Medalha de Ouro no Festival de Moscou, premiado no Festival de Nevers (França), e no Festival de Huelva (Espanha), volta aos cinemas com cópia restaurada.
João Batista de Andrade utilizou sua experiência de documentarista para criar um filme de ficção com elementos de documentário, algumas cenas eram provocadas pelos atores em praça pública e a equipe reduzida permitiu que a realidade se relacionasse com o filme de maneira muito espontânea.
José Dumont conta como foi a filmagem de uma das cenas: “Saí do Metrô, meio cambaleando, perdi o rumo e quando cheguei perto da farmácia o João (Batista de Andrade) parou e me deu a indicação para ficar olhando para as coxinhas, porque eu estava com fome. O vendedor simplesmente me deu uma xícara de café, por compaixão. Comecei a tremer, estava representando, mas a emoção estava a mil!”.
“Na época, o Festival de Moscou era dos mais importantes do mundo, 90 países concorriam. O Filme foi premiado por unanimidade pelo Júri composto por representantes de 14 países.” Conta a produtora do filme, Assunção Hernandes.
No livro “O Homem que Virou Suco” (Imprensa Oficial), Newton Cannito e Ariane Abdallah definiram o filme como “um dos mais conhecidos da História do Cinema Brasileiro. Como é comum nas grandes obras, o filme conciliou inovação estética com impacto cultural, superando falsos dilemas entre arte e indústria”.
Tiago Mata Machado definiu o filme na Folha de São Paulo, como “uma espécie de comédia de costumes, aprofunda-se na realidade nacional sem abandonar a crítica social”.
Poeta é confundido com operário de multinacional que mata o patrão, é perseguido pela polícia e perde sua identidade e condição de cidadão.

O lançamento de O Homem que Virou Suco marca a estréia da Raiz Filmes, braço distribuidor da Raiz Produções, uma das mais antigas produtoras de cinema do Brasil em atividade. Após 33 anos atuando com a Raiz em produção cinematográfica, a produtora Assunção Hernandes expande suas atividades para a área de distribuição de cinema, com a Raiz Filmes.
A Restauração do filme foi realizada pelo CPCB (Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro) e contou com o patrocínio da Petrobrás.
A cópia restaurada do filme foi exibida na sessão Tesouros do Festival do Rio, no festival de Brasília e agora chega ao circuito comercial.

Share.

About Author

Comments are closed.