O ganho da DM9DDB e a perda da Duda

0

A conta do Guaraná Antarctica está de volta à DM9DDB, como a Revista Publicittà informou na última sexta-feira. A agência que faz parte do grupo Ypy, de Nizan Guanaes, criou um dos melhores slogans para o refrigerante na forma de um jingle que não sai da cabeça de ninguém: “pipoca com guaraná”. Essa transferência de conta para uma agência que no passado foi de Duda Mendonça e ainda osenta a suas iniciais (DM) – a marca foi comprada no final dos anos 70 por Nizan Guanaes, que havia estagiado nessa agência baiana _ é mais um duro golpe para o publicitário que conduziu a primeira e bem sucedida campanha à Presidência da República de Luiz Inácio Lula da Silva.

Sem a conta do Guaraná Antarctica a Duda Mendonça & Associados Propaganda fica ainda mais frágil. A agência que chegou a ter 250 funcionários, dos quais 130 só em São Paulo, hoje tem apenas 30 pessoas trabalhando. A Duda Propaganda, é claro, não vai fechar as portas. Está trabalhando duro para conquistar novos contas. Tem como credenciais boas campanhas, como as que criou para a Brasil Telecom, conta que também perdeu, e a do próprio Guaraná Antarctica que se tornou um clássico: o comercial Maradona, com o qual o jogador argentino sonhava estar jogando na seleção brasileira de tanto que estava tomando o guaraná fabricado pela AmBev. Mas nem de longe hoje a Duda Mendonça é o que foi antes da CPI do Mensalaão e as investigações de dinheiro recebido por Duda Mendonça do PT. Ele perdeu contas do governo e, na seqüência, do setor privado.

Tanto que a agência do baiano Duda Mendonça que vinha crescendo de forma virogosa, chegando a apresentar faturamento de R$ 320,1 milhões em 2005, viu essa contabilidade cair para R$ 200,9 milhões entre janeiro e novembro de 2006, segundo os dados do Ibope Monitor, que faz a pesquisa. A conta do Guaraná Antarctica que a Duda Propaganda perdeu para a DM9DDB é estimada em R$ 65 milhões por ano, o que não deixa de ser uma expressiva perda na contabilidade da Duda Propaganda.

 

Share.

About Author

Comments are closed.