DIÁRIO DO GOLPE: A TRISTE SINA DO BRASIL NO PRAVDA.RU

0

O portal Pravda.Ru, do mais importante conglomerado de comunicação da Rússia, publica artigo de Marino Boeira que, analisando a história do Brasil, tem como foco o recente golpe parlamentar que resultou neste ano na cassação dos 54 milhões de votos que, em eleição direta em 2014, reconduziram Dilma Rousseff ao Palácio do Planalto. Mostra ainda como Themis, a deusa que representa a Justiça, tem sido violada e violentada por setores do Poder Judiciário, encantados com os holofotes de uma mídia plutocrática sempre a serviço das elites tradicionalmente golpistas das quais tem sido porta-voz ao longo da história. Uma reflexão importante desses tristes e sombrios dias em que um projeto intitulado “Ponte para o Futuro”, sem o aval das urnas, visa conduzir o Brasil e os brasileiros para o atraso, a Idade das Trevas.

Brasil: Está chegando a hora de chamar a cavalaria

Marino Boeira

O golpe parlamentar-midiático contra os governos do PT está sendo desmoralizado a cada dia e apesar dos esforços da mídia golpista em dar uma roupagem colorida aos seus heróis, as pessoas estão percebendo que o rei está cada vez mais nu.
As recentes trapalhadas do procurador Deltan Dallagnol nas denúncias contra Lula, quando ele disse que não tinha provas, mas convicções, foram apenas mais uma etapa no longo processo que começou com o mensalão e continuou com o impeachment da Dilma.
Com tantos atores assim incompetentes, logo, logo, a direita vai ter que abandonar a farsa de defesa da moralidade e da democracia e pedir socorro à Cavalaria, como já fez em 1964.

A primeira tentativa, o tal mensalão, não deu certo e Dilma se elegeu. Ninguém deu muita importância ao fato, porque qualquer pessoa bem informada sabe que as verbas publicitárias das grandes empresas acabam abastecendo o Caixa Dois dos partidos.

Tanto sabem que, ninguém no parlamento, na imprensa e nos meios empresariais, está interessado em fazer uma reforma política que acabe com o financiamento empresarial para partidos e políticos, sejam eles de qualquer ideologia.

Dilma reeleita, foi preciso criar um fato político para desestabilizar seu governo. Amparados por uma intensa campanha de mídia, surgiu a imagem do Moro Justiceiro e sua corte de defensores da moral nos negócios, do Japonês da Polícia Federal, hoje preso por corrupção e do procurador Dallagnol, até então acostumado a deitar sua falação moralista do púlpito dessas novas igrejas evangélicas.

Descobriram que a Petrobrás e as grandes empresas da construção civil financiavam partidos e políticos desde sempre. Foi preciso, então, filtrar as denúncias, buscando apenas aquelas que atingiam o PT e seus políticos a partir do momento que chegaram ao Governo.

Os jornais, revistas e emissoras de rádio e televisão, que sempre se beneficiaram, direta ou indiretamente desses procedimentos desonestos, se transformaram em novas vestais, cobrando a moralidade pública e a punição dos culpados.

Alguns desses veículos, apontados publicamente como culpados de sonegação e tentativa de compra de indultos fiscais, abriram manchetes exigindo justiça, tentando fazer com que ninguém lembre dos seus telhados de vidro.

Criou-se o instituto da delação premiada, com malfeitores enriquecidos às custas do dinheiro público, transformados em acusadores de seus antigos aliados e ganhando com isso o direito de desfrutar tranquilamente do que amealharam desonestamente.

Aproveitando-se de uma situação econômica internacional desfavorável para todos os países, inclusive o Brasil, montou-se a grande farsa nacional do impeachment. Uma presidenta, legitimamente eleita, deveria ser derrubada para que o Brasil recuperasse sua imagem de um País onde a lei seria sempre respeitada.

Primeiro foi o episódio de uma Câmara de Deputados transformada num circo mambembe, liderado pelo grande corrupto, Eduardo Cunha. Transmitido ao vivo e a cores, os brasileiros puderam ver a que ponto pode chegar a vilania de alguns homens e mulheres. Deputados, corruptos de carteirinha, votando em nome da moralidade. Malfeitores, com o título de deputado votando pela família, pela Pátria e por Deus. Outros, mais práticos, votando pela esposa e pela amante. Um, voltando ao microfone, para votar em nome de um dos filhos que tinha esquecido de nomear na primeira vez.

Depois, o Senado da República, com a sua corte de homens engravatados, ternos reluzentes, cabelos alisados com muito gel e mulheres emperiquitadas, com seus discursos vazios de conteúdo e cheios de preconceito contra um partido, apenas porque ele ainda representa uma boa parte dos trabalhadores, completando o trabalho sujo.

Tudo de novo, ao vivo e a cores, como se fosse a novela da televisão, na qual não faltaria a grande atriz dramática, a advogada Janaina Paschoal, melhor no seu histerismo incontido de que muitas atrizes das novelas mexicanas do SBT.

Para que tudo isso?

Toda essa quebra da normalidade institucional, a quase bancarrota da maior empresa brasileira, o que obviamente serviu aos interesses internacionais, feitas para criar uma imagem de legalidade a um ato, intrinsecamente ilegal, de derrubar uma Presidenta legitimada pelo voto da população, além de prender uma meia dúzia de políticos e empresários desonestos, o que poderia ser feito sem todo esse teatro.
O golpe, porém, não ficará completo enquanto não destruírem toda as possibilidades do PT voltar ao governo através do voto em 2018. Para isso, é preciso afastar da disputa o Presidente Luta, que se concorrer, deve ganhar a eleição.

A primeira tentativa, o espetáculo midiático das denúncias do Procurador Dallagnol, parece não ter dado certo, o que pode levar os golpistas ao seu último recurso, o de chamar a Cavalaria.

Certamente, muitos deles, estão lembrando o que disse Carlos Lacerda em relação a Getúlio Vargas antes das eleições em 1950:
“Ele não pode ser candidato; se for, não pode ser eleito; se eleito, não pode assumir e se assumir, precisa ser derrubado”

É só trocar o nome de Getúlio por Lula e procurar um Carlos Lacerda para chamar a Cavalaria.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP