INSTABILIDADE INSTITUCIONAL AFUGENTA INVESTIMENTOS NO BRASIL

0

Por Carlos Franco

A instabilidade institucional que implodiu o Brasil desde o golpe parlamentar-midiático, com o suporte de setores do Poder Judiciário, que içou Michel Temer ao Palácio do Planalto ao caçar o voto direto de mais de 54 milhões de brasileiros, continua a fazer estragos na economia brasileira, com dolorosos reflexos nos campos social e político. Um Executivo e um projeto de governo sem a legitimidade das urnas; um Legislativo que legisla em causa própria e um Poder Judiciário que se mostra, a cada dia, menor diante dos desafios a que está submetido, jogando para segundo plano  a Constituição e as próprias leis, constituem excelente combustível para a deteroriação de todos os indicadores e mergulha o Brasil em profunda recessão. Como bem observou em redes sociais o brilhante jornalista e advogado Antero Luiz, referindo-se ao último episódio de uma verdadeira Ópera Bufa, não é Renan Calheiros, o presidente do Senado, reú em processo de improbidade, que está acima da lei, é o Supremo Tribunal Federal (STF) que está abaixo dele.

Resultado: os dados hoje divulgados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) tendem a se agravar. Terra arrasada por total ausência de instituições sólidas. O golpe na democracia que a República deveria espelhar cobra o seu preço e ele é alto. Confiram a nota do Ipea:

 

O Indicador Ipea de FBCF aponta queda de 1,5% no consumo de máquinas e equipamentos. Indicador da construção civil caiu 3,9%

 O Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) lançado nesta quinta-feira (8) registra queda de 2,6% nos investimentos em outubro, na comparação com setembro, na série com ajuste sazonal. Segundo o técnico de planejamento e pesquisa do Grupo de Conjuntura do Ipea (Gecon) Leonardo Mello de Carvalho, “o novo recuo dos investimentos indica continuidade do quadro recessivo no quarto trimestre de 2016”.

Este é o quarto recuo mensal consecutivo do indicador de investimentos, deixando um carregamento estatístico (carry-over) de -4,8% para o quarto trimestre de 2016. Ou seja, caso o FBCF apresente crescimento nulo nos meses de novembro e dezembro, encerraria o último trimestre do ano com contração de 4,8% em relação ao trimestre anterior, também no indicador ajustado sazonalmente. Na comparação com outubro de 2015, o FBCF caiu 13,6%.

Os dois principais componentes do Indicador Ipea de FBCF apresentaram desempenho ruim em outubro. O consumo aparente de máquinas e equipamentos (Came) – que estima os investimentos em máquinas e equipamentos correspondentes à produção industrial doméstica, acrescida das importações e diminuída das exportações –, apresentou recuo de 1,5%. Já o indicador de construção civil retraiu-se pela quarta vez em cinco meses, -3,9% frente ao período anterior, ainda na comparação com ajuste sazonal. Na comparação com outubro de 2015, os dois componentes apresentaram forte retração, com quedas de 15,4% e 13,5%, respectivamente.

Parte da composição do Came, a produção doméstica de bens de capital recuou 2,8% em outubro, na comparação dessazonalizada. Essa queda foi amenizada pelo comportamento do volume de importações de bens de capital no mesmo período. Após registrar três quedas consecutivas, o indicador de importações avançou 6,3% entre os meses de setembro e outubro. Já as exportações cresceram 1,2% na mesma base de comparação.

Entenda o indicador FBCF

A FBCF da economia é composta majoritariamente pelos investimentos em máquinas e equipamentos e em construção civil. Tendo em vista que os investimentos em máquinas e equipamentos equivalem ao Came, o Grupo de Estudos de Conjuntura (Gecon) do Ipea desenvolveu um indicador mensal da FBCF composto pela média ponderada desse indicador com um indicador de construção civil, que busca replicar a metodologia utilizada nas Contas Nacionais pelo IBGE. Além da vantagem da frequência mensal, há também a precedência temporal do indicador do Ipea em relação à divulgação da atualização do Sistema de Contas Nacionais Trimestrais (SCNT) do IBGE. A metodologia de cálculo da proxy mensal da FBCF está detalhada no Texto para Discussão 2101

 

Acesse o blog da Carta de Conjuntura

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP