MADRES DE MAYO: ELAS SEMPRE LUTARAM POR SEU FILHOS

0

Guillermo foi mais uma das crianças que não conheceram os pais, sequestrados durante o regime militar na Argentina. Fundo das Nações Unidas financia desde os anos 1990 a organização Avós da Praça de Maio, que ajudou Guillermo a encontrar seus familiares biológicos. Nova publicação reúne histórias de vítimas da tortura.

Avós da Praça de Maio já reuniram 119 netos com seus familiares. . Foto: EBC

Avós da Praça de Maio já reuniram 119 netos com seus familiares. . Foto: EBC

Antes de Guillermo nascer, seus pais foram vítimas de um desaparecimento forçado durante a ditadura militar argentina, um fato triste do qual ele não teve conhecimento durante a infância e adolescência.

“Quando cheguei à idade adulta, comecei a ter suspeitas em relação ao meu nascimento e do homem e da mulher que diziam ser meus pais”, explicou Guillermo.

Desde 1997, a organização da sociedade civil Avós da Praça de Maio vem buscando netos como Guillermo para reuni-los com suas famílias.

Durante a ditadura militar argentina, de 1976 a 1983, os desaparecimentos forçados foram uma espécie de tortura psicológica para as famílias que ignoravam o paradeiro de seus entes queridos e não sabiam se estavam vivos ou mortos.

As Avós da Praça de Maio, que desde os anos 1990 contam com o apoio do Fundo de Contribuições Voluntárias das Nações Unidas para as Vítimas da Tortura (UNVFVT), já reuniram 119 netos e seus familiares. O financiamento do fundo ajuda a pagar os testes genéticos que permitem aproveitar melhor o banco de DNA criado em 1987, após o restabelecimento da democracia no país, para ajudar na identificação das crianças roubadas durante a ditadura.

“Em geral, os militares não executavam as mulheres grávidas, mas as prendiam no Campo de Maio, um centro de detenção clandestino que adquiriu sinistra fama como o local onde os recém-nascidos eram confiscados e depois entregues a adoções ilícitas”, disse Guillermo.

“Em 2007, enquanto assistia ao programa ‘Televisão pela Identidade’, que descrevia o trabalho das Avós, ouvi o relato de um caso que soube imediatamente ser o meu”, declarou. “Comecei a chorar e minha namorada me convenceu a procurar a Comissão Nacional pelo Direito à Identidade (CONADI).”

A história de Guillermo é apenas uma das nove que estão em uma nova publicação intitulada “Do horror à cura: uma viagem capaz de salvar vidas apoiada pelo fundo da ONU para vítimas de tortura”. A administração do fundo, que este ano completa seu 35º aniversário, está a cargo do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), com sede em Genebra.

A publicação traz histórias tanto de pessoas torturadas como de profissionais que ajudaram as vítimas a recuperar a dignidade e a buscar a reabilitação, a verdade e a reparação, um caminho que exige longo percurso. Os relatos foram compilados por organizações que, com o apoio do fundo da ONU, fornecem a cada ano serviços médicos, psicológicos, sociais e jurídicos de reabilitação a cerca de 50 mil vítimas de torturas e seus familiares.

Em dezembro de 2007, Guillermo recorreu ao Banco Nacional de DNA, mas não obteve respostas imediatas. Quatro meses depois, foi informado que seu perfil genético não correspondia a nenhum dos núcleos familiares registrados no banco. Mas em 2009 a comissão o convocou para o que seria uma reunião comovente.

“Com lágrimas nos olhos, a diretora me contou a história da minha família”, disse Guillermo.

“A confirmação da minha identidade demorou dois anos, porque ninguém sabia que minha mãe estava grávida quando a prenderam, junto com o meu pai, em 17 de outubro de 1979. De modo que sua família não havia depositado amostras de DNA. Mas um sobrevivente se apresentou e declarou que minha mãe havia dado à luz enquanto estava detida. Assim, o banco solicitou amostras de sangue dos irmãos e irmãs de meus pais e pôde confirmar que eu era filho de Marcel Molfino e Guillermo Amarilla”.

Os pais de Guillermo haviam casado em 1973 e tiveram três filhos antes de sua prisão.

“Foi assim que eu soube, aos 29 anos de idade, que tinha três irmãos e uma família numerosa. Nos reunimos pela primeira vez na sede das Avós. Foi um grande abraço e compreendi então que esse abraço duraria para sempre.”

Desde 1981, o fundo da ONU administrado pelo ACNUDH em Genebra destinou mais de 168 milhões de dólares a mais de 630 organizações que proporcionam assistência médica, psicológica, social e jurídica às vítimas de tortura. (Do Portal da ONU)

Leia aqui a publicação completa (em inglês). 

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP