ONU: RELIGIÃO E CULTURA NÃO JUSTIFICAM NEGAÇÃO DE DIREITOS LGBT

0

‘Não há lugar no século XXI para a discriminação com base na orientação sexual ou na identidade de gênero’, afirmou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, em evento paralelo à 71ª sessão da Assembleia Geral. Encontro reuniu chefes de Estado, vice-presidentes e primeiros-ministros.

Em evento que reuniu presidentes, vices e primeiros-ministros paralelamente à 71ª sessão da Assembleia Geral, o dirigente máximo das Nações Unidas criticou países que “nadam contra a maré da história” ao adotarem novas punições ainda mais desmedidas a indivíduos que são gays ou que apenas falam sobre ser gay.

Em ao menos 76 países, leis criminalizam relacionamentos privados e consensuais entre pessoas do mesmo sexo, expondo milhões de indivíduos a riscos de detenção, inquérito penal. Em ao menos cinco Estados, a homoafetividade pode ser condenada com pena de morte.

Chamado “Path2Equality” (Caminho para a Igualdade, em tradução livre), o encontro na sede da ONU, em Nova York, marcou a primeira vez em que líderes mundiais participaram de uma reunião do grupo de trabalho das Nações Unidas sobre LGBTs.

A sua religião ou cultura é tão fraca
que a única maneira pela qual vocês
podem sustentá-la é
a negação dos direitos básicos dos outros?

Lésbicas, gays, bissexuais, pessoas trans e intersex enfrentam também preconceito e violência das próprias sociedades onde estão inseridos.

“Os fatos são perturbadores. A cada ano, centenas são mortos, milhares são gravemente feridos e milhões vivem suas vidas na sombra da discriminação e da reprovação. Isso é um ultraje”, condenou Ban, que lembrou ainda que muitos Estados se recusam a reconhecer abusos contra as vítimas. O secretário-geral da ONU criticou duramente ideias utilizadas para justificar a violência contra LGBTs.

“Eu pergunto àqueles que usam argumentos culturais ou religiosos para privar pessoas LGBT dos seus direitos humanos: o que vocês ganham por tornar os outros menos iguais? A sua religião ou cultura é tão fraca que a única maneira pela qual vocês podem sustentá-la é a negação dos direitos básicos dos outros?”

Ban lembrou que ele mesmo não conhecia muito bem os desafios enfrentados por esse público quando assumiu o posto de chefe da ONU, mas aprendeu ouvindo as vítimas. “Todos os que não compreendem devem escutar de perto”, afirmou.

O secretário-geral expressou ainda uma preocupação particular com crianças e jovens que sofrem bullying e, muitas vezes, são expulsos de casa e forçados a viver nas ruas.

Apesar dos desafios, o dirigente da ONU destacou conquistas recentes. Quase 40 países já reconhecem legalmente relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo. Outras nações têm buscado medidas para facilitar o reconhecimento formal do gênero de indivíduos trans. Ao longo do ano passado, mais três países abandonaram sanções criminais contra LGBTs — Nauru, Moçambique e Seicheles.

Ban Ki-moon lembrou ainda da decisão do Conselho de Direitos Humanos nesse ano de indicar, pela primeira vez, um especialista independente para investigar violações perpetradas contra gays, lésbicas, bissexuais e pessoas trans. Ainda em 2016, em outubro, o Escritório de Direitos Humanos deve conduzir uma pesquisa sobre mais de 200 iniciativas em 65 países voltadas para o proteção desse público.

Causa LGBT tem um preço político

Ban alertou que o trabalho desenvolvido ao longo de seus dez anos de mandato em prol dos LGBTs não deve ser abandonado pelo próximo secretário-geral. “A ONU está comprometida a agir”, ressaltou.

“O grupo de trabalho sobre LGBTs é nosso grande aliado, mas nós temos muito adversários. Há um preço político por se manifestar, um preço que eu tenho orgulho de pagar”, disse o chefe da ONU, que lembrou da resistência que enfrentou de alguns países quando aprovou medidas administrativas que garantiam para casais gays de funcionários os mesmos salários e auxílios dados pelas Nações Unidas a casais heterossexuais.

Lembrando que os progressos foram conquistados com muita luta, o secretário-geral lamentou que ativistas tenham pagado preços ainda mais altos e reafirmou seu compromisso com a causa. “Eu sempre vou lutar pela igualdade dos membros LGBT da nossa família humana”, garantiu.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP