UNESP PESQUISA REMÉDIO PARA LEUCEMIA INFANTIL

0

Em trabalho publicado dia 8 de novembro na revista Scientific Reports do Grupo Nature, pesquisadores da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (FCF-USP) e do Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista Câmpus do Litoral Paulista (IB-CLP-Unesp) caracterizaram uma nova enzima capaz de aniquilar seletivamente células tumorais de Leucemia Linfoide Aguda (LLA).

IMAGEM: À esquerda, a levedura de onde foi obtido o potencial biofármaco. À direita, modelo da estrutura de Asparaginase estudada.

A LLA é a neoplasia infanto-juvenil mais comum e, segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer (INCA), entre 2016 e 2017 serão diagnosticados cerca 12.600 novos casos de cânceres pediátricos e juvenis, sendo aproximadamente 25% destes representados pela LLA.

Dentre os diversos medicamentos utilizados em conjunto para o tratamento da LLA, uma enzima extraída da bactéria Escherichia coli denominada asparaginase é um dos fármacos utilizados no tratamento. Em protocolos clínicos que utilizam esta enzima a possibilidade de cura é de 80%. Apesar de sua eficácia, até 25% dos pacientes desenvolvem reações imunológicas e não podem utilizar este fármaco no tratamento. Como alternativa existem no mercado mundial dois outros fármacos: a Asparaginase de E. coli alterada quimicamente (PEG-ASNase) ou a asparaginase da bactéria Erwinia chrysanthemi (Erwinase), que são utilizadas para “enganar” o sistema imune e permitir a continuidade do tratamento. Entretanto, estes medicamentos são protegidos por patentes, muito caros e não são aprovados pela ANVISA, o que impossibilita o tratamento e pode ocasionar o óbito dos pacientes.

Cabe ressaltar que, a LLA evolui muito rapidamente, de forma que a interrupção ou adiamento de qualquer etapa da terapia implica em um prejuízo irremediável no prognóstico. Para complicar ainda mais este panorama, toda Asparaginase utilizada no Brasil é totalmente importada, o que mostra a fragilidade do tratamento em nosso país. Em 2013, ocorreu a crise no abastecimento deste fármaco, mobilizando diversos cientistas brasileiros de diferentes Universidades a buscar novas fontes deste medicamento baseadas na biodiversidade. Essa busca culminou no Projeto Temático “Produção de L-asparaginase extracelular: da bioprospecção à engenharia de um biofármaco antileucêmico”, coordenado pelo Prof. Dr. Adalberto Pessoa Jr (FCF-USP) e financiado pela Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP).

O projeto visa buscar novas fontes de asparaginases em especial de fungos e leveduras utilizando a biodiversidade mundial. Para tanto, foram isolados fungos oriundos de diversos ambientes brasileiros como Cerrado, Caatinga, Ambiente Marinho e terrestre da Antártica, dentre outros. Além de todas estas fontes, também foram utilizadas ferramentas computacionais para avaliar bancos de dados mundiais de genes e foi assim que identificamos a proteína que utilizamos no trabalho.

Segundo Gisele Monteiro (FCF-USP) e Marcos A. de Oliveira (IB-Unesp-CLP), pesquisadores principais do projeto e que assinam o artigo como coordenadora e colaborador, respectivamente, “Nosso objetivo neste projeto não foi simplesmente produzir, mas sim buscar em um organismo uma nova fonte deste fármaco visando a aplicação também nos casos em que os pacientes desenvolvem resistência a enzima bacteriana”.

Neste contexto, os autores utilizando ferramentas de bioinformática identificaram em Saccharomyces cerevisiae, a levedura do pão, uma nova enzima cuja capacidade de matar seletivamente células tumorais foi demonstrada no trabalho publicado. “Esta enzima já havia sido estudada na década de 1970, entretanto, os pesquisadores utilizaram a proteína extraída deste organismo e os resultados não foram bons. No nosso estudo utilizamos técnicas de engenharia genética e obtivemos uma asparaginase recombinante com alto grau de pureza e com características bioquímicas apropriadas para um biofármaco”, complementa Gisele Monteiro.

De acordo com Iris Munhoz Costa autora principal do trabalho “Com esse trabalho de nova caracterização da enzima utilizando as técnicas adequadas, conseguimos dar o primeiro passo e demonstrar que é possível obter alternativas viáveis para o tratamento da LLA a partir da biodiversidade”.

Leonardo Schultz da Silva, doutorando do PPG em Biodiversidade do IB CLP da Unesp de São Vicente, o qual também figura como autor do trabalho e foi responsável por analises estruturais, ressalta “Este trabalho demonstra que a biodiversidade é uma fonte potencial de fármacos virtualmente infinita e revela que a biodiversidade que conseguimos enxergar nos diferentes organismos existe também no mundo molecular, invisível aos olhos humanos”. O autor complementa “é incrível que em um organismo tão estudado como S. cerevisiae conseguimos caracterizar um novo potencial biofármaco com características tão distintas das utilizadas comercialmente”.

Contatos dos pesquisador da Unesp:
Marcos Antonio de Oliveira
Lab. Biologia Molecular Estrutural
Instituto de Biociências
Unesp – Câmpus do Litoral Paulista
13-3569 7120 e 3569 7148

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP