XINGU CARIRI CARUARU CARIOCA, O FILME

0

Por Heloísa Antônia Franco

Xingu Cariri Caruaru Carioca, filme da diretora Elizabeth Versiani Formaggini, com argumento de Carlos Malta e produção da 4Ventos, é de uma beleza no ver, no olhar a tela com tantas geo-camadas sonoras, visuais, olfativas, táteis que não temos vontade de sair da tela. Adentramos pelo fluxo sanguíneo de nossa ancestralidade musical e este se esparrama por nossos poros.

É o cinema das sensações. Estamos mergulhados nas águas e nos pores do sol multicoloridos, que nos enchem a alma de alegria e contentamento. E pensar que os povos aborígenes e do agreste brasileiro têm sofrido há milhares de anos tanta violência de toda espécie para que esta riqueza ancestral seja exterminada e apagada da história universal.

Os índios são a terra,  como diz Eduardo Viveiros de Castro.  “A terra é o corpo dos índios e eles são parte do corpo da terra… não se reconhecem no Estado Brasileiro, não têm a vontade desta pátria, porque são a terra”, e por isto Eduardo escreve neste belo texto “Os Involuntários da Pátria” que o povo só existe no plural, “há uma multiplicidade singular que habita a terra pluralmente, povoada de povos”.

Separar o índio da terra é separar as forças da natureza que habitam os indígenas, sua força cósmica em plenitude de afetações sendo expressas na musicalidade às quais são a matéria de sua potência e de sua grandeza. Ele não quer ser do Estado ele quer ser da terra que já é sua, e que é ele. Como diz Nietzsche, o ser humano é uma vida que quer a si mesma e procura ampliar as suas condições de expandir-se consumindo a realidade ao seu redor. Deixem os índios em sua vontade de potência com toda sua força de expansão. Imploramos!!!

Na belíssima fotografia que espelha os povos das raízes do agreste há vida em movimento sonoro. A história dos instrumentos musicais, da musicalidade gravada no corpo como livro de poesia cravado na delicadeza  dos corpos móveis, ágeis e fortes se constituindo em um só corpo: o corpo sem órgãos. Um corpo coletivo, plural e a língua é a mãe-memória musical que não se individualiza, se coletiviza e quer se espalhar para preservar a riqueza destas memórias vivas.

O filme nos convoca a esta viagem atemporal da ancestralidade sonora. Filme como devir-música, devir natureza. Devir água-sonora.

Os índios devêm água. Não há distinção. “O peixe é o dono da música sagrada…”. É o sagrado dos cantos e está no sagrado das águas como solta a voz os índios do agreste.

O encontro das culturas populares e a cultura pop que vai constituindo nosso patrimônio cultural das raízes das flautas e suas conexões com o que produz a música em nós de forma atemporal através do sopro que vem das flautas no Alto Xingu, do pife tradicional de Pernambuco, Ceará e Paraíba, o carris paraibano com linda homenagem a dona Zabé da Loca desaguando no Rio de Janeiro e tantos músicos que nos trouxeram o mais sensível de nossa musicalidade num encontro esplendoroso com Carlos Malta.

Parabéns a todos vocês que nos possibilitaram viver e sentir o melhor da generosa música.

Compartilhar.

Sobre o autor

Comentários desativados.

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   HP0-S42   70-483   101   000-080   1z0-434   CCA-500   CAP   1Z0-804   220-802   70-483   SY0-401   70-980   300-101   c2010-652   ICGB   1Z0-144   101   70-533   000-017   1Z0-060   640-916   9L0-012   MB2-704   9L0-066   2V0-621D   1Z0-144   1Y0-201   74-678   EX200   70-483   700-501   210-260   200-310   100-105  , JK0-022   350-080   300-070   CISSP   810-403   CAS-002   300-206   200-101   OG0-093   000-104   MB6-703   CISSP   1Z0-144   070-461   1Z0-060   SSCP