PAPANGUS GANHAM AS RUAS PERNAMBUCANAS DE BEZERROS

0

Os papangus ganharam hoje as ruas da pequena cidade de Bezerros, no agreste pernambucano, como fazem todos os carnavais. Só que, agora, cada vez mais atraem turistas e muitos acabam por movimentar a economia local comprando as máscaras carnavalescas, os chamados “papangus”, que encantam pela alegria e ingenuidade de um carnaval multicultural onde por mãos do povo a cultura se mantém e a alegria se espalha. Uma festa bonita de ser ver e uma tradição que vem de longe como nos relata, neste artigo, a bibliotecária Lúcia Gaspar da Fundação Joaquim Nabuco, responsável pelo verbete papangus da pesquisa online e eficiente que a fundação oferece aos internautas.

 

Papangus de Bezerros

Por Lúcia Gaspart 

Os papangus do carnaval de Bezerros, cidade do agreste de Pernambuco (107 quilômetros do Recife) são uma tradição centenária.

papangusSegundo o professor Ronaldo J. Souto Maior, fundador do Instituto de Estudos Históricos, Arte e Folclore dos Bezerros, a origem dos Papangus de Bezerros data de 1881: “o papa-angu nasceu de uma brincadeira de familiares dos senhores de engenhos, que saiam mascarados, mal vestidos, para visitar amigos nas festas de entrudo – antigo carnaval do século dezenove –, e comiam angu, comida típica do Nordeste (agreste) pernambucano. Por isso, as crianças passaram a chamar os mascarados de papa-angu”*.

Há versões populares sobre a origem desses personagens no carnaval de Bezerros. Uma, vem de uma história muito antiga: dois irmãos que comiam muito angu, resolveram cortar as pernas das calças e cobrir o rosto com capuz para não serem reconhecidos, mas o disfarce não funcionou. Foram descobertos pela gula. Outra, é que, no século 19, os mascarados ganharam esse nome depois que uma senhora resolveu preparar angu de xerém para alimentá-los.

Antigamente o papangu tinha a máscara confeccionada com coité (cuia do fruto), cuja pintura era feita com azeitona preta, açafrão e folha de fava. Possuía chocalhos ao redor da roupa, que era enfeitada com palha de banana e na mão levava um maracá de coco seco com pedra dentro.

Atualmente, a matéria–prima usada nas máscaras é o papel colé e maché. Os papangus vestem túnicas compridas, dos pés à cabeça, colocam as máscaras para ficarem totalmente cobertos, pois a meta é se esconder, ganhando a farra sem ser identificados.

Antes de cair na folia, costumam comer angu, que é normalmente fornecido pelos moradores locais.

Quando vai chegando a época próxima do carnaval, os foliões procuram confeccionar suas fantasias em segredo, para não correrem o risco de ser desmascarados antes da festa.

Em Bezerros, a cultura do papangu é vivenciada durante o ano inteiro, através das oficinas de máscaras, da culinária desenvolvida com variados pratos feitos com angu, além das oficinas de dança e música carnavalesca.

No domingo de carnaval, a partir das 9h da manhã, a BR-232 fica lotada de papangus. Os blocos de panpangu são acompanhados de orquestra de frevo e carro de som, desfilando pelas principais ruas da cidade até a Praça da Bandeira, quartel-general do carnaval, onde outros papangus incorporam-se à festa.

A tradição dos papangus é comum a quase todo o interior de Pernambuco, mas se mantém mais forte no município de Bezerros.

Share.

About Author

Comments are closed.